Carregando...

Pesquisa mostra preços de alimentos e acessórios juninos mais procurados em Maceió

Procon faz anualmente as pesquisas de preços dos alimentos em supermercados da capital — Foto: Ascom

Procon faz anualmente as pesquisas de preços dos alimentos em supermercados da capital — Foto: Ascom

Com a proximidade do São João, muitas pessoas já estão em busca dos principais itens para as receitas juninas e até pra decoração, mesmo com as festas proibidas para evitar aglomeração por causa da pandemia do coronavírus. Para que ninguém fique no prejuízo, o Procon Maceió divulgou uma lista com os preços dos alimentos e acessórios mais procurados nessa época.

  • Clique aqui para baixar lista completa

Para evitar gastos desnecessários, o órgão aconselha, primeiramente, a pesquisa de preço. Após a visita em vários estabelecimentos, o levantamento apontou diferença de mais de 30% no valor dos produtos, como é o caso do amendoim, cuja a diferença de preço de um estabelecimento para outro chegou a 32%.

É preciso pesquisar na hora de comprar os itens das tradicionais receitas juninas — Foto: TV Cabo Branco

É preciso pesquisar na hora de comprar os itens das tradicionais receitas juninas — Foto: TV Cabo Branco

Outro alimento com diferença considerável no preço é o milho de canjica. O produto mais caro chegou a R$ 6,29, já o mais barato saiu a R$ 1,68. A paçoca também teve uma variação alta, custando a mais barata R$ 6,58, e a mais cara, R$ 21,39.

E as diferenças nos valores atingiram também os acessórios juninos. A variação no preço do chapéu de palha, por exemplo, chegou a 25% de uma loja para outra.

Para quem gosta de decorar, tem que ficar atento na hora de comprar os balões grandes, já que os preços variam entre R$ 9,10 e R$ 39,90.

Diretor executivo do Procon Maceió, Leandro Almeida fala sobre a importância de pesquisar.

“Antes de qualquer compra, é recomendado que o consumidor compare os preços dos produtos e, quando o pagamento for em dinheiro, solicite sempre descontos. Em caso de problema com qualquer fornecedor, a população deve denunciar ou reclamar ao órgão para que as demandas solicitadas e feitas às empresas sejam resolvidas”, disse.

Veja os vídeos mais recentes do G1 AL

200 vídeos

Veja mais notícias da região no G1 AL


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*