Carregando...

Garimpeiros ameaçam revidar ação de autoridades no Rio Madeira, no AM

Dezenas de balsas de garimpo ilegal atracam no Rio Madeira no AM

Dezenas de balsas de garimpo ilegal atracam no Rio Madeira no AM

Os garimpeiros que estão no Rio Madeira, na região de Autazes, no interior do Amazonas, ameaçam revidar a ação de autoridades que tentem removê-los do local. As mensagens foram trocadas em um grupo de garimpeiros ao qual a reportagem teve acesso.

No grupo, os garimpeiros falam que vão ficar de tocaia e dar tiros.

O vice-presidente, Hamilton Mourão, tratou com naturalidade a invasão de balsas no Madeira e disse que todos os anos os garimpeiros procuram o lugar com mais ouro. Ele afirmou que medidas já estão sendo tomadas para verificar o arrastão de ouro no Rio Madeira.

“Polícia Federal e Marinha já estão se preparando para agir, mas o principal ali é a Marinha. A Marinha tem que verificar qual é a questão, quem está ali na legalidade, qual é a embarcação legal, e o pessoal que está na ilegalidade vai ter a embarcação apreendida”, disse.

Mourão diz que Marinha e PF preparam ação contra garimpeiros

Mourão diz que Marinha e PF preparam ação contra garimpeiros

Os garimpeiros estão descendo o Rio Madeira em busca de ouro há pelo menos quatro meses, como mostram imagens de julho, gravadas pelos próprios garimpeiros em Borba, a 300 quilômetros de Manaus, e postadas em uma rede social.

Na internet, os garimpeiros também postam vídeos para mostrar como as dragas funcionam. Elas utilizam longas mangueiras, que são lançadas até o leito do rio.Geradores fazem com que elas suguem a terra e tudo o que encontram no fundo. O material é levado até a balsa e passa por uma esteira, onde é filtrado para seleção do ouro e devolvido à água.

  • Vídeos: garimpeiros mostram funcionamento das dragas e o ouro extraído no Rio Madeira
  • Fotos: Centenas de balsas e dragas bloqueiam trecho do Rio Madeira para garimpo ilegal
  • Contaminação:Garimpo ilegal por balsas e dragas causa poluição, diz especialista
  • Invasão de garimpeiros no rio Madeira: o que se sabe e o que falta esclarecer

Garimpeiros mostram funcionamento das dragas e o ouro extraído no Rio Madeira, no AM

Garimpeiros mostram funcionamento das dragas e o ouro extraído no Rio Madeira, no AM

O processo traz grave prejuízos ambientais, pois para separar o ouro da terra, os garimpeiros usam substâncias químicas e metal pesado, inclusive mercúrio.

Na região de Autazes, o que chamou a atenção foi a quantidade de dragas em plena atividade.

Neste momento, os rios estão em período de vazante no Amazonas, com baixo nível de água. Segundo o pesquisador José Luiz, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), é a situação ideal para os garimpeiros alcançarem o cascalho aurífero que fica no fundo do rio.

“Realmente, a vazante tem toda relação com a intensidade da garimpagem no Rio Madeira, quanto menor a profundidade do rio, os equipamentos das balsas e das dragas tem que percorrer um trecho menor. Então, as mangueiras das balsas e dragas vão ser menores e vai facilitar sem dúvida nenhuma a intensidade da garimpagem. Quando a vazante está mais intensa, mais intensa vai ser a garimpagem”, disse.

Na quarta-feira (24), o Ministério Público Federal expediu uma recomendação pedindo a adoção emergencial de ações para retirada de garimpeiros ilegais que se instalaram no Rio Madeira.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), que é um órgão estadual, afirma que quem deve fiscalizar e impedir a extração de minério no Rio Madeira é o governo federal. De qualquer forma, o instituto já se reuniu com o Ibama e a Polícia Federal para planejar ações. A PF informou que estratégias estão sendo estabelecidas para interromper a ação dos garimpeiros, mas até agora, eles continuam atuando livremente.

O Ipaam afirma que atividades de exploração mineral na região não estão licenciadas, portanto, são irregulares. O Ministério Público Federal também confirmou que a extração de ouro na região do rio madeira é ilegal.

Veja os vídeos mais assistidos do Amazonas

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*