Carregando...

Marido de homem agredido por empresário após confusão na Bahia faz relato do crime: 'Fez vários insultos homofóbicos'

Empresário agride casal após prefeitura retirar barreira de proteção, em Maraú

Empresário agride casal após prefeitura retirar barreira de proteção, em Maraú

“Os ‘veados’ estão invadindo a praia”. Esse foi um dos insultos homofóbicos que o empresário Herbert Moreira Dias, de 62 anos, disse ao casal Lucas Bahia e Carlos Alberto Novaes, antes de partir para a agressão, segundo testemunhas e o marido da vítima. O caso aconteceu na cidade de Maraú, no distrito de Barra Grande, no sábado (5).

  • Casal acusa empresário de agressão durante retirada de 'barricada' em praia de Maraú

O caso foi registrado na 9ª delegacia de Salvador, no bairro da Boca do Rio, porque o casal não conseguiu fazer o registro na delegacia de Maraú. Toda a situação foi filmada, tanto pelo casal quanto por alguns vizinhos. [Veja vídeo acima]

A confusão começou depois que a prefeitura instalou barreiras para evitar o acesso de veículos motorizados, como motos, carros e quadriciclos, à faixa de areia das praias. Segundo Lucas Bahia, que é marido de Carlos Alberto, que foi agredido pelo empresário com socos, a discussão foi permeada pela homofobia.

De acordo com moradores, Herbert é uma das pessoas que passeiam pelo local com quadriciclos. Inconformado com as barreiras de proteção, ele suspeitou que os equipamentos teriam sido colocados por Lucas e Carlos, que são engajados na causa do Meio Ambiente.

Horas antes da agressão, Herbert ao chegar no local onde estavam as barreiras, insultou o casal, que mora vizinho à pousada dele.

Barreiras que motivaram início da discussão foram instaladas pela prefeitura — Foto: Reprodução/Prefeitura de Maraú

Barreiras que motivaram início da discussão foram instaladas pela prefeitura — Foto: Reprodução/Prefeitura de Maraú

“Ele viu bloqueio e começou a difamar a gente. Dizendo que os 'veados' estavam invadindo a praia, se referindo claramente a gente, porque tinham outras pessoas no local, mas nenhuma delas era homossexual. Ele dizia que as 'bichas' tinham que voltar para casa de onde vieram. Fez vários insultos homofóbicos”, conta Lucas.

Esses insultos foram ouvidos pelas testemunhas, que não querem se identificar por medo da represália, já que Herbert é um empresário conhecido na região.

“No meio de toda a gritaria, realmente ocorreram ofensas homofóbicas. Lembro de ter ouvido o senhor chamá-los de ‘veado’ e de ‘bicha escrota’. Ele ficou irritado por ver o acesso da praia fechado”, contou uma das pessoas ao G1.

Durante as ameaças, Lucas conta que Herbert disse que ia derrubar a barreira com uma motosserra. Por causa disso, Lucas e o marido entraram em contato com gestores do município para buscar orientações sobre como falar para Herbert que o equipamento não havia sido instalado por eles.

“Eu ia deixar a situação de lado, mesmo com os insultos. Nem ia entrar com processo por LGBTfobia, porque eu não queria confusão. Então, eu liguei para o administrador de Barra Grande, que me orientou a comunicar que era da prefeitura. Ele me disse: ‘Se ele for destruir o patrimônio público você filma e me aciona para eu chamar a polícia'".

As informações de Lucas foram confirmadas ao G1 pela assessoria da Prefeitura de Maraú. Depois das ofensas, Herbert seguiu para passear. Na volta, novamente fez agressões verbais aos vizinhos. Um dos funcionários do empresário já o esperava na praia com a motosserra em mãos para entregar a Herbert, que destruiu a barreira da prefeitura.

“Ele já voltou com acusações de que nós tínhamos colocado a barreira, sem nem nos ouvir. A gente tentando explicar e ele estava alcoolizado, gritando. Meus funcionários viram, os vizinhos também viram, pessoas de casas alugadas, todo mundo viu tudo. Nós não queríamos brigar, só queríamos informar que não foi a gente. Mas ele veio para cima”.

Casal acusa empresário de agressão durante retirada de 'barricada' em praia de Maraú — Foto: Arquivo pessoal

Casal acusa empresário de agressão durante retirada de 'barricada' em praia de Maraú — Foto: Arquivo pessoal

A situação foi filmada pelo casal e por uma vizinha. Nas imagens, Herbert aparenta estar alcoolizado e faz ameaças ao casal o tempo inteiro. Em um determinado momento do vídeo, ele chega a dizer que vai atirar no rosto de Carlos Alberto, que já estava com o nariz quebrado, após a agressão do próprio Herbert.

“Ele estava assim, bem agressivo, xingando muito. Os meninos tentavam falar, mas ele não queria ouvir, já foi agredindo. Quando o rapaz disse que ia levar para a Justiça, ele disse que podia levar”, contou outra testemunha.

Em uma das gravações, dá para ouvir parte da discussão, em meio à gritaria. Quando Herbert percebe que várias pessoas estão filmando, ele chega a correr atrás de uma delas. O empresário profere diversos xingamentos também, enquanto algumas pessoas, que aparentam ser da família dele, tentam tirar ele da situação.

Segundo Herbert, ele não sabia que as barreiras tinham sido colocadas pela prefeitura, mesmo os vizinhos tentando avisá-lo. Disse ainda que agrediu Carlos no que seria um revide, mas também diz que Carlos não chegou a agredi-lo. Ele não comentou sobre as ofensas homofóbicas.

“Eu não sabia que a obstrução tinha sido feita pela prefeitura de Maraú. E quando eu fui fazer a desobstrução da rua, eles vieram para cima de mim, para tentar me agredir. Eu revidei porque eu não ia esperar um homem do tamanho daquele, uma pessoa do tamanho daquele lá me agredir primeiro. Eu só fiz revidar, não fiz outra coisa a mais do que isso”, disse Herbert.

Registros de ocorrência e cirurgia

Vítima que teve nariz quebrado pelo empresário durante discussão em Maraú — Foto: Reprodução / TV Santa Cruz

Vítima que teve nariz quebrado pelo empresário durante discussão em Maraú — Foto: Reprodução / TV Santa Cruz

Lucas e Carlos não registraram o caso em Maraú porque não conseguiram contato com a delegacia da cidade. Para não deixar a situação impune, eles então fizeram o boletim de ocorrência em Salvador.

A prefeitura da cidade, por meio das secretarias de Turismo e Infraestrutura, também informou que vai acionar a Polícia Civil e a Justiça para apuração dos danos ao patrimônio público e ressarcimento. Herbert se colocou à disposição para pagar pelo prejuízo.

“Quando soube dos danos da prefeitura, entrei em contato com o pessoal da prefeitura, pedindo a eles que colocassem as coisas corretamente lá e eu repararia esses danos, para não deixar prejuízo nenhum para o município”, disse ele.

Casal acusa empresário de agressão durante retirada de 'barricada' em praia de Maraú — Foto: Arquivo pessoal

Casal acusa empresário de agressão durante retirada de 'barricada' em praia de Maraú — Foto: Arquivo pessoal

Depois da agressão, Carlos foi atendido em um posto de saúde da cidade, que não tinha médico de plantão. Já em Salvador, ele procurou um médico especialista em traumas, para fazer os exames e ver o dano da lesão.

"É provável que ele precise fazer uma cirurgia no nariz. Fomos em um especialista em ortopedia, que fez o raio-x, verificou a lesão e a fratura. Ele [especialista] fez um boletim médico e encaminhou para um outro ortopedista, especialista em nariz, para conduzir o tratamento e fazer cirurgia".

Além do trauma físico no nariz, o casal passa agora pelo trauma emocional das agressões homofóbicas.

"Nós nunca tivemos problemas com ele. Eu tenho casa de locação de aluguel por temporada, e ele tem pousada atrás. Eu sempre indiquei a pousada dele, a gente teve sempre uma relação tranquila. Nunca foi de eu ir na casa dele, nem ele vir na minha, mas era uma relação normal, de cumprimentar, dar bom dia. Eu me senti completamente inseguro nessa situação toda. É difícil passar por isso", lamenta Lucas.

Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.

Assista aos vídeos do G1 e TV Bahia 💻

22 vídeos

Ouça 'Eu Te Explico' 🎙


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*