Carregando...

DF apresenta plano de ampliação de leitos de UTI para Covid-19 - Notícias - R7 Brasília

O governo do Distrito Federal anunciou, no fim da tarde desta sexta-feira (14), o plano de ampliação da capacidade hospitalar para pessoas internadas com Covid-19. De acordo com o coordenador de Atenção Primária à Saúde do DF, Fernando Erick Damasceno, a primeira fase já foi concluída, com abertura de 10 leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) no Hospital Regional de Samambaia.

O Distrito Federal alcançou nesta sexta 81% de ocupação dos leitos destinados ao tratamento da Covid-19. Dos leitos destinados a adultos, 93% já estão ocupados. A situação ocorre em meio ao avanço da variante Ômicron do coronavírus. Para aliviar a sobrecarga no sistema de saúde da capital federal, a Secretaria de Saúde anunciou um plano com sete fases que pode liberar até 217 leitos a mais nas próximas semanas.

A segunda etapa do plano, chamada de “fase de mobilização 1B”, deve ser concluída na próxima quarta-feira (19). Até lá, outros 10 leitos deverão ser abertos no Hospital Regional de Samambaia. As próximas fases serão determinadas conforme a demanda, afirmou a secretaria. Apesar de ter capacidade de ampliar a atenção intensiva para até 217 leitos, a expectativa da pasta é de que sejam necessários mais 100 leitos de UTI voltados para pacientes Covid-19.

“É importantíssimo reforçar que nós não esperamos chegar na mobilização da fase 7. É esperado que a gente não passe da fase 3 ou 4 com todas essas medidas que estamos tomando, com a conscientização da população do Distrito Federal, com a adesão aos testes e a possibilidade dessas pessoas se isolarem em quarentena para diminuir essas cascatas de transmissão”, afirmou Damasceno.

As fases 2 e 3 de mobilização de leitos deverá abrir mais dez leitos de UTI no Hospital Regional de Ceilândia e oito no Hospital Regional de Sobradinho, mas ainda não têm data fixa para serem postas em prática. Nos hospitais particulares, o governo do DF tem contratados mais 133 leitos de UTI que poderão atender pacientes da rede pública.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*