Carregando...

Justiça julga pedido de anulação de júri do crime da 113 Sul - Notícias - R7 Brasília

A 1ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) julga, nesta quinta-feira (23), o pedido de cancelamento do júri que condenou Adriana Villela como mandante do triplo homicídio da 113 Sul. A arquiteta foi considerada culpada pelas mortes do pai, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, da mulher dele e mãe de Adriana, Maria Vilella, e da empregada do casal, Francisca Nascimento.

O crime aconteceu no apartamento onde moravam, no Bloco C da SQS 113 Sul, em Brasília, em 31 de agosto de 2009. A defesa aponta irregularidades no processo. A condenação de Adriana Villela aconteceu 10 anos depois do triplo homicídio, em outubro de 2019. A petição para anular a condenação da ré alega, entre outras coisas, falta de evidências que impliquem a cliente no crime.

Advogados de Adriana reclamam, de “cerceamento da defesa”. Eles afirmam que não puderam ter acesso a mídias com depoimentos de Francisco Mairlon Barros Aguiar, ex-porteiro do Bloco C da 113 Sul, condenado a 55 anos de prisão por participar do crime, e os executores do triplo homicídio, Leonardo Campos Alves, que pegou 60 anos de prisão, e o sobrinho dele, Paulo Cardoso Santana, condenado a 62 anos de prisão.

De acordo com a defesa, o trio teria negado a participação de Adriana. A arquiteta foi condenada por triplo homicídio qualificado por motivo torpe, por uso de meio que impediu a defesa das vítimas e por crueldade. A Polícia Civil do DF enfrentou diversas dificuldades durante as investigações.

Entre os problemas, a primeira etapa da apuração do caso, a cargo da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), acabou anulada por irregularidades. A delegada Martha Vargas, chefe da unidade, foi condenada por torturar um suspeito e acabou presa e expulsa da corporação. Ela também contratou uma vidente para auxiliar nos trabalhos.

Consta na petição que o processo que resultou na condenação de Adriana tem “mostras de conchavos entre a Polícia Civil do DF e Ministério Público [do DF e Territórios], relatos de torturas dos réus e outras irregularidades que levaram 11 policiais à Justiça, dentre eles, a ex-delegada Martha Vargas”.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*