Carregando...

Chacina no DF: mais dois são detidos por suspeita de participação no crime - Notícias - R7 Brasília

Mais dois suspeitos de envolvimento na chacina da família da cabeleireira Elizamar da Silva, de 39 anos, foram detidos na noite desta terça-feira (24) no DF — um homem de 23 anos e um adolescente de 17. Às 21h40, ambos prestavam depoimento na 6ª Delegacia de Polícia Civil (Paranoá).

Nesse domingo (22), um quarto suspeito de ligação com o caso da família carbonizada havia sido identificado. De acordo com as investigações, Carlomam dos Santos Nogueira, 26 anos, é foragido por ter cometido outros crimes e faz parte do PCC, maior organização criminosa do Brasil.

O delegado ainda afirmou, nesta terça-feira (24), que Carlomam poderia estar fora do Distrito Federal. À Record TV, Viana ainda disse que o serviço de recompensa pode ser acionado em breve para que as autoridades consigam prender o suspeito.

A Polícia Civil do Distrito Federal trabalha com a hipótese de extorsão. De acordo com a corporação, as vítimas que foram mantidas em cárcere privado teriam sofrido agressões físicas para que senhas bancárias fossem repassadas.

Segundo a corporação, R$ 54 mil foram encontrados na conta bancária de um dos suspeitos de ligação com o crime. O delegado responsável ainda informou que o dinheiro identificado é referente a uma casa que Cláudia Regina havia vendido.

Com Horácio Carlos foram encontrados R$ 40 mil, e com Gideon Batista, R$ 10 mil. Cerca de R$ 4 mil também foram localizados na conta da namorada de Gideon, que não teve o nome revelado.

Nesta terça-feira (24), a identidade dos corpos de Renata (sogra de Elizamar) e Gabriela Belchior (cunhada de Elizamar), Thiago Gabriel (marido de Elizamar) e Cláudia Regina (ex-esposa do sogro de Elizamar) foi confirmada. O corpo de Ana Beatriz (filha de Cláudia) ainda não foi identificado.

Um vídeo obtido pela Record TV mostra que Horácio Barbosa e Fabrício Canhedo, suspeitos de ligação com o crime, se encontrando depois dos registros de boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da família.

As imagens das câmeras de segurança foram feitas no prédio em que Horácio mora, na região do Paranoá. Com o novo vídeo, a polícia levantou a possibilidade dos suspeitos já se conhecerem antes dos crimes.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*