Carregando...

Líderes do G7 definem diretrizes para moedas digitais de bancos centrais

O Grupo das Sete Economias Avançadas (G7) disse na quarta-feira (13) que qualquer moeda digital emitida por um banco central deve “apoiar e não causar danos” à capacidade do banco de cumprir seu mandato de estabilidade monetária e financeira, e também deve atender a padrões rigorosos.

Se emitida, uma moeda digital de um banco central (em inglês Central Bank Digital Currency, CBDC) complementaria o caixa e poderia atuar como um ativo de liquidação seguro e líquido e uma âncora para o sistema de pagamentos, disseram os países do G7 após a reunião de quarta-feira.

Mas as moedas devem ser emitidas de uma forma que não infrinja as ordens dos bancos centrais e atenda a padrões rigorosos de privacidade, transparência e responsabilidade pela proteção dos dados do usuário, disseram eles.

“Qualquer moeda digital de banco central (CBDC) deve ser baseada em compromissos públicos de longa data com transparência, estado de direito e governança econômica sólida”, disseram os líderes financeiros do grupo em um comunicado.

Embora as CBDCs possam aumentar os pagamentos transfronteiriços, os países do G7 disseram que têm “a responsabilidade compartilhada de minimizar as repercussões prejudiciais ao sistema monetário e financeiro internacional”.

Os bancos centrais globais têm intensificado os esforços para desenvolver suas próprias moedas digitais para modernizar os sistemas financeiros e acelerar os pagamentos domésticos e internacionais.

A China tem liderado o processo de emissão de uma moeda digital, enquanto os bancos centrais do G7 têm trabalhado para definir padrões comuns para a emissão de CBDCs à medida que alguns prosseguem com os experimentos.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*