Carregando...

"Facebook Papers" pode ser a maior crise na história da empresa; entenda

O Facebook tem enfrentado denunciantes, problemas de relações públicas e inquéritos do Congresso dos Estados Unidos nos últimos anos. Mas agora ele enfrenta uma combinação dos três de uma vez, no que pode ser a crise mais intensa e ampla na história de 17 anos da empresa.

Na sexta-feira (22), um consórcio de 17 organizações de notícias dos Estados Unidos começou a publicar uma série de histórias – chamadas coletivamente de “The Facebook Papers” – com base em centenas de documentos internos da empresa que foram incluídos em divulgações feitas à Comissão de Valores Mobiliários e de Câmbio (SEC) e fornecidas ao Congresso em forma redigida pelo consultor jurídico da denunciante que trabalhou no Facebook, Frances Haugen.

O consórcio, que inclui a CNN, revisou as versões editadas recebidas pelo Congresso.

A cobertura da CNN inclui histórias sobre como grupos coordenados no Facebook semeiam discórdia e violência, incluindo na invasão ao Capitólio em 6 de janeiro, bem como os desafios da empresa para moderar conteúdo em alguns países de língua não inglesa, e como traficantes de seres humanos têm usado suas plataformas para explorar pessoas.

As reportagens da CNN, e dos demais veículos que fazem parte do consórcio, seguem um mês de intensa fiscalização da empresa.

O Wall Street Journal publicou anteriormente uma série de histórias baseadas em dezenas de milhares de páginas de documentos internos do Facebook vazados por Haugen. O trabalho do consórcio é baseado em muitos dos mesmos documentos.

A publicação dos arquivos pelo Journal, que levantou preocupações sobre o impacto do Instagram em adolescentes, entre outras questões, levou a uma audiência do subcomitê do Senado com a diretora de segurança global do Facebook, Antigone Davis.

A própria Haugen então testemunhou perante o subcomitê do Senado, durante o qual ela disse acreditar que “os produtos do Facebook prejudicam as crianças, alimentam a divisão e enfraquecem nossa democracia”.

Atualmente não há fim à vista para os problemas do Facebook. Membros do subcomitê pediram que o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, testemunhasse. E, na sexta-feira, outra ex-funcionário do Facebook anonimamente apresentou uma queixa contra a empresa à SEC, com alegações semelhantes às de Haugen.

O Facebook já lidou com escândalos sobre sua abordagem à privacidade de dados, moderação de conteúdo e concorrentes antes.

Mas o vasto acervo de documentos, e as muitas histórias que certamente ainda virão deles, tocam em preocupações e problemas aparentemente em todas as partes de seus negócios: sua abordagem para combater o discurso de ódio e desinformação, gerenciar seu crescimento internacional, proteger os usuários mais jovens em sua plataforma e até mesmo sua capacidade de medir com precisão o tamanho de seu grande público.

Tudo isso levanta uma questão desconfortável para a empresa: o Facebook é realmente capaz de gerenciar o potencial de danos no mundo real de suas plataformas incrivelmente grandes ou o gigante das redes sociais se tornou grande demais para não falhar?

Facebook tenta virar a página

O Facebook, por sua vez, tentou várias vezes desacreditar Haugen, e disse que seu testemunho e relatórios sobre os documentos descaracterizam suas ações e esforços.

“No cerne dessas histórias está uma premissa que é falsa”, disse um porta-voz do Facebook em um comunicado à CNN.

“Sim, somos um negócio e temos lucro, mas a ideia de que o fazemos às custas da segurança ou do bem-estar das pessoas não compreende onde residem nossos próprios interesses comerciais.”

Em uma publicação no Twitter na semana passada, o vice-presidente de comunicações da empresa, John Pinette, chamou os “Facebook Papers” de uma “seleção com curadoria de milhões de documentos no Facebook” que “não pode de forma alguma ser usada para tirar conclusões justas sobre nós”.

Mas mesmo essa resposta é reveladora – se o Facebook tem mais documentos que contariam uma história mais completa, por que não divulgá-los? Durante seu testemunho no Senado, Davis disse que o Facebook está “procurando maneiras de lançar mais pesquisas”.

Em vez disso, o Facebook está agora planejando mudar sua marca com um novo nome no início desta semana, conforme a onda de cobertura crítica continua. A empresa anteriormente se recusou a comentar sobre este relatório.

A mudança parece ser uma tentativa clara de virar a página, mas uma nova camada de tinta não resolverá os problemas subjacentes descritos nos documentos – apenas o Facebook, ou o que quer que seja chamado em breve, pode fazer isso.

Veja o exemplo de um relatório publicado pelo Journal em 16 de setembro que destacou uma pesquisa interna do Facebook sobre um violento cartel de drogas mexicano, conhecido como Cartél Jalisco Nueva Generación. O cartel estaria usando a plataforma para postar conteúdo violento e recrutar novos membros usando a sigla “CJNG”, embora tenha sido designado internamente como um dos “Indivíduos e Organizações Perigosas” cujo conteúdo deveria ser removido.

O Facebook disse ao Journal na época que estava investindo em inteligência artificial para reforçar sua aplicação contra esses grupos.

Apesar do relatório do Journal no mês passado, a CNN na semana passada identificou conteúdo perturbador vinculado ao grupo no Instagram, incluindo fotos de armas e postagens de fotos e vídeos em que as pessoas parecem ter sido baleadas ou decapitadas.

Depois que a CNN perguntou ao Facebook sobre as postagens, um porta-voz confirmou que vários vídeos sinalizados foram removidos por violar as políticas da empresa, e pelo menos uma postagem teve um aviso adicionado.

Haugen sugeriu que o fracasso do Facebook em consertar esses problemas se deve em parte ao fato de priorizar o lucro ao invés do bem social e, em alguns casos, a falta de capacidade da empresa para apagar seus muitos incêndios de uma só vez.

“O Facebook tem uma equipe extremamente escassa … e isso ocorre porque há muitos tecnólogos que olham para o que o Facebook fez e sua relutância em aceitar responsabilidades, e as pessoas simplesmente não estão dispostas a trabalhar lá”, disse Haugen em um briefing com o consórcio “Facebook Papers” na semana passada.

“Portanto, eles têm que fazer escolhas muito, muito, muito intencionais sobre o que pode ou não ser realizado”.

O Facebook investiu um total de US$ 13 bilhões desde 2016 para melhorar a segurança de suas plataformas, de acordo com o porta-voz da empresa. Em comparação, a receita anual da empresa ultrapassou US$ 85 bilhões no ano passado e seu lucro atingiu US$ 29 bilhões.

O porta-voz também disse que o Facebook tem “40.000 pessoas trabalhando na segurança e proteção de nossa plataforma, incluindo 15.000 pessoas que revisam conteúdo em mais de 70 idiomas trabalhando em mais de 20 locais em todo o mundo para apoiar nossa comunidade”.

“Também derrubamos mais de 150 redes que buscavam manipular o debate público desde 2017, e elas se originaram em mais de 50 países, com a maioria vindo ou focada fora dos Estados Unidos”, disse o porta-voz.

“Nosso histórico mostra que reprimimos os abusos fora dos Estados Unidos com a mesma intensidade que aplicamos nos Estados Unidos”.

Ainda assim, os documentos sugerem que a empresa tem muito mais trabalho a fazer para eliminar todos os muitos danos descritos nos documentos e para lidar com as consequências indesejadas do alcance e integração sem precedentes do Facebook em nossas vidas diárias.

Um futuro incerto

Nesse ínterim, a empresa parece estar perdendo rapidamente a confiança – não apenas entre alguns de seus usuários e reguladores, mas também internamente.

Vários dos documentos internos apontam para preocupações entre os funcionários do Facebook sobre as ações da empresa, incluindo uma postagem de dezembro de 2020 no site interno do Facebook sobre um atrito na equipe de integridade da empresa em que um funcionário observa em um comentário: “Nossos resultados recentes do Pulse mostram que a confiança na liderança diminuiu em toda a empresa”.

As pesquisas de pulso, ou Pulse em inglês, são frequentemente usadas por empresas para avaliar a opinião dos funcionários sobre determinados tópicos.

A postagem interna veio depois que a equipe de Integridade Cívica do Facebook foi desfeita após a eleição presidencial e sua equipe foi designada para outras funções dentro da empresa, um movimento que Haugen criticou, mas que o vice-presidente de Integridade do Facebook, Guy Rosen, disse ter sido feito “para que o incrível o trabalho pioneiro [da equipe] para as eleições possa ser aplicado ainda mais … seu trabalho continua até hoje”.

E na quinta-feira (21), o conselho de supervisão independente do Facebook acusou a empresa de não ser “totalmente aberta” sobre os detalhes de seu programa Cross-Check, que supostamente protegia milhões de usuários VIP das regras normais de moderação de conteúdo da plataforma de mídia social.

Um porta-voz do Facebook disse em um comunicado que a empresa havia “pedido ao conselho informações sobre nosso sistema Cross-Check, e vamos nos esforçar para ser mais claros em nossas explicações para eles daqui para frente”.

A boa notícia para o Facebook: Haugen e a equipe que a apoia não têm como objetivo fechar ou desmembrar a empresa.

Durante seu depoimento no Senado, Haugen disse repetidamente aos legisladores que ela estava lá porque ela acredita no potencial do Facebook para o bem, se a empresa for capaz de resolver seus problemas sérios.

Haugen até disse que trabalharia para o Facebook novamente, se tivesse a chance. Ela sugeriu que o Congresso desse à empresa a chance de “declarar falência moral, e aí podemos descobrir como consertar essas coisas juntos”.

“A coisa mais interessante que descobri ao ler esses documentos é o quão extraordinária a empresa é”, disse Lawrence Lessig, professor da Harvard Law School e consultor jurídico estratégico de Haugen, à CNN. “Ela está repleta de milhares de Frances Haugens … que estão apenas tentando fazer seu trabalho. Eles estão tentando tornar o Facebook seguro e útil e a melhor plataforma de comunicação possível.”

O que resta saber é o quanto o Facebook mudará em resposta às revelações de denunciantes atuais e futuros, especialmente se seu negócio alimentado por publicidade continuar a funcionar desimpedido, como tem feito até agora.

Será que vai concordar com o tipo de transparência e cooperação que Haugen, reguladores e outros pediram? Ou simplesmente continuará com os negócios normais sob um novo nome?

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês).


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*