Carregando...

Dólar sobe, mas caminha para queda semanal com temor menor sobre juros dos EUA

O dólar sobe nesta sexta-feira (14), mas deve fechar a semana em baixa, após atingir a menor cotação desde novembro de 2021 no dia anterior. Por trás do movimento está a redução de temores por parte dos investidores em relação ao aumento de juros nos Estados Unidos.

Por volta das 9h20, a moeda norte-americana tinha alta de 0,09%, a R$ 5,534. O contrato futuro do dólar negociado na B3 de primeiro vencimento subia 0,11%, a R$ 5,534.

Na quinta-feira (13), o dólar fechou em queda de 0,13%, cotado a R$ 5,528. O Ibovespa avançou 0,15%, aos 105.529,50 pontos.

A possibilidade de o governo federal aumentar gastos em meio à reivindicação de reajuste por servidores públicos continua no radar dos investidores, devido ao risco de descontrole fiscal.

Servidores públicos federais se organizam para realizar uma possível paralisação no próximo dia 18. O movimento, apoiado por 37 associações e sindicatos, tem objetivo de pressionar o governo por reajuste salarial e ameaça promover uma greve por tempo indeterminado em fevereiro, caso não seja atendido.

Em relação ao exterior, o principal fator de influência no comportamento do dólar ainda é a expectativa em torno da alta de juros nos Estados Unidos.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou na terça-feira (11) que a economia norte-americana está pronta para uma política monetária mais apertada, mas que pode levar vários meses até que as autoridades tomem uma decisão sobre a redução do balanço de cerca de US$ 9 trilhões.

As falas de Powell aliviaram os temores de investidores e ajudaram na recuperação ante as perdas após a divulgação da ata da última reunião da autarquia, junto com um dado de inflação em linha com o esperado. Ainda assim, o mercado já espera uma alta de juros em março.

As altas nos juros aumentam ainda mais a atratividade dos títulos do Tesouro norte-americano, naturalmente bem-vistos pelos investidores devido a sua segurança. A perspectiva de elevação leva à saída de capital de outros mercados, como o Brasil.

Neste pregão, o Banco Central fará leilão de até 17 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 2 de março de 2022.

*Com informações da Reuters


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*