Carregando...

Saudi Aramco ultrapassa Apple e se torna novamente a empresa mais valiosa do mundo

A Saudi Aramco ultrapassou a Apple como a empresa mais valiosa do mundo, ressaltando o recente aumento nos preços do petróleo que impulsionaram a gigante da energia este ano.

A Aramco agora vale cerca de US$ 2,43 trilhões, em comparação com os US$ 2,37 trilhões da Apple, segundo dados da Refinitiv.

As capitalizações de mercado flutuam com frequência: no início deste ano, a Apple atingiu a marca de US$ 3 trilhões, tornando-se a primeira a fazê-lo e tornando-se de longe a empresa mais valiosa do planeta.

A Aramco, a certa altura, também manteve esse manto após uma oferta pública inicial histórica em 2019, que impulsionou sua avaliação para US$ 2 trilhões.

Mas os últimos movimentos do mercado apontam para como as perspectivas para os produtores de energia e tecnologia mudaram recentemente.

Este ano, os preços do petróleo subiram para recordes, principalmente devido a preocupações com interrupções no fornecimento da Rússia desde a invasão da Ucrânia.

Isso impulsionou players como a Saudi Aramco, cujas ações subiram 27% até agora este ano.

Enquanto isso, as ações da Apple caíram mais de 17% desde janeiro.

A fabricante do iPhone foi recentemente sobrecarregada por grandes dores de cabeça na cadeia de suprimentos, principalmente na China, onde várias das fábricas de seus fornecedores foram temporariamente apanhadas nos bloqueios de Covid-19 do país.

No mês passado, a Apple alertou para grandes perdas relacionadas à situação em andamento, dizendo que problemas de produção e logística podem afetar suas vendas em até US$ 4 bilhões a US$ 8 bilhões neste trimestre.

As restrições da Apple estavam “principalmente centradas no corredor de Xangai”, disse o CEO Tim Cook em uma teleconferência de resultados.

Dan Ives, diretor-gerente de pesquisa de ações da Wedbush Securities, chamou o impacto dos bloqueios de “o albatroz para o trimestre de junho”, dizendo em um relatório que os problemas da cadeia de suprimentos da Apple na China provavelmente continuariam sendo a “maior preocupação” para os investidores no curto prazo.

Mas as preocupações podem “diminuir” no segundo semestre do ano, quando a empresa deve lançar um novo iPhone 14, acrescentou.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*