Carregando...

França está negociando preços de combustíveis à medida que escassez piora

O presidente francês, Emmanuel Macron, convocou uma reunião de crise com ministros de alto escalão nesta segunda-feira (17) para tratar das greves em refinarias de gás que causaram o esgotamento das bombas de combustível.

Macron declarou nesta segunda-feira seu desejo de uma solução “o mais rápido possível” para os protestos, prometendo “fazer o máximo” para encontrar uma, segundo a BFMTV, afiliada da CNN.

O governo ordenou que grevistas em dois depósitos de combustível em Feyzin, perto de Lyon, voltem ao trabalho por várias horas ou enfrentarão acusações criminais, segundo a ministra da Energia da França, Agnes Pannier-Runacher.

Lyon é uma das regiões mais atingidas do país, com quase 40% dos postos de gasolina sem pelo menos um combustível no domingo.

Em outros lugares, quase um terço dos postos de gasolina ficaram sem pelo menos um combustível, com a situação prevista para piorar esta semana, segundo a primeira-ministra francesa Elisabeth Borne.

Esta é a segunda vez nas últimas semanas que o governo francês tomou a medida incomum de requisitar funcionários essenciais diante de greves de semanas nas refinarias de propriedade da ExxonMobil e da TotalEnergies, que interromperam o fornecimento a milhares de postos de gasolina.

Enquanto os trabalhadores da ExxonMobil concordaram em encerrar o bloqueio da refinaria e depósito de Fos-sur-Mer no sul da França no final da semana passada após negociações salariais, as greves continuam nas refinarias da TotalEnergies.

Um dos maiores sindicatos da França, CGT, recusou-se a aceitar os termos de um acordo salarial acordado entre a TotalEnergies e dois outros sindicatos, CFE-CGC e CFDT. O acordo inclui um aumento salarial de 7% para 2023 e um bônus para todos os funcionários equivalente a um mês de salário.

A CGT exigiu um aumento salarial de 10%.

As paralisações de trabalhadores da refinaria, que afetaram a maioria das refinarias da França, deixaram quase um terço dos postos de gasolina do país com déficit de abastecimento, segundo dados do governo.

Mas o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, disse que as greves eram “inaceitáveis ​​e ilegítimas”, porque os acordos salariais foram cumpridos com a maioria dos trabalhadores. “O tempo para as negociações já passou”, acrescentou.

Em entrevista à rádio France Inter, um representante da CGT, Philippe Martinez, afirmou que “milhares” de trabalhadores ainda estavam em greve, contrariando ministros do governo que se referiram aos trabalhadores grevistas como “um punhado de trabalhadores” e “centenas de pessoas” em entrevistas.

O ministro dos Transportes, Clement Beaune, disse à France Inter que a única saída para a crise é o fim das greves.

Enquanto isso, os passageiros podem enfrentar dias de caos nas viagens se as greves planejadas na rede de transporte público de Paris e partes da rede ferroviária nacional prosseguirem.

Beaune disse que nas regiões mais afetadas, apenas um em cada dois trens estará funcionando na terça-feira (18).

A ação industrial ocorre em um cenário de aumento do custo de vida na França, onde as contas de eletricidade estão aumentando como resultado de um corte no fornecimento de gás natural russo que provocou uma crise energética na Europa.

No domingo, milhares marcharam pelo centro de Paris para protestar contra a crise e a “inação climática”.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*