Carregando...

Confirmado: lixo espacial encontrado em fazenda na Austrália é da SpaceX

A Agência Espacial Australiana (ASA) confirmou que os objetos encontrados em fazendas em Nova Gales do Sul, na costa leste do país, pertencem ao compartimento de cargas de uma nave Crew Dragon, da SpaceX. Neste sábado (30), especialistas da agência espacial visitaram o local onde os fazendeiros Mick Miners e Jock Wallace encontraram os detritos.

Foto: SpaceX / Canaltech
  • Lixo espacial: o que é e por que preocupa os cientistas?
  • Objeto metálico que caiu no Paraná é lixo espacial, diz AEB

De acordo com informações da mídia local, o objeto entrou na atmosfera no dia 9 de julho, causando um forte som ouvido em Snowy Mountains, Albury, Wagga Wagga e Canberra. Dias depois, o fazendeiro Miners encontrou alguns dos destroços em uma área de sua propriedade — entre os fragmentos, estava uma peça com quase três metros de extensão, fincada no solo como um obelisco.

  • Clarão no interior: meteoro iluminou o céu de cidades em São Paulo
  • Os animais que fazem arte - e podem ter vantagens evolutivas com isso
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!
Um dos destroços encontrados pelos fazendeiros (Imagem: Reprodução/ABC South East NSW: Adriane Reardon)
Um dos destroços encontrados pelos fazendeiros (Imagem: Reprodução/ABC South East NSW: Adriane Reardon)
Foto: Canaltech

Um representante da ASA afirmou que a agência continua trabalhando com parceiros nos Estados Unidos, membros da comunidade e autoridades locais, conforme for apropriado. "Se a comunidade encontrar mais detritos suspeitos, não devem tentar manipular ou recuperá-los", alertou.

Brad Tucker, astrofísico da Universidade Nacional da Austrália, analisou os objetos encontrados e identificou um número de série em um deles; ele sugere que os fragmentos são do compartimento de carga da Crew Dragon usada na missão Crew-1, lançada em 2020. Após os fazendeiros encontrarem os dois primeiros pedaços de detritos, um terceiro foi encontrado no dia 14 de julho, perto da cidade de Jindabyne.

Nave Crew Dragon usada na missão Crew-1 (Imagem: Reprodução/SpaceX)
Nave Crew Dragon usada na missão Crew-1 (Imagem: Reprodução/SpaceX)
Foto: Canaltech

Como a população já sabe que a nave se desintegrou na área, Tucker acredita que mais pessoas devem encontrar outros destroços ao longo das próximas semanas e até anos. Segundo ele, a discussão agora é voltada para descobrir se a SpaceX vai coletar os detritos. Para o astrofísico, como a reentrada quase não causou danos, não deve haver necessidade de transações intergovernamentais para compensar eventuais estragos.

Fonte: ABC; Via: The Guardian

Trending no Canaltech:

  • Site gratuito restaura fotos de maneira impressionante usando IA
  • Substituto do Onix? Chevrolet prepara lançamento de novo carro compacto
  • 5G puro chega a São Paulo; veja cobertura e como ativar
  • Startups participam de maior competição do Brasil e podem ir para fora do país
  • Cientistas explicam o que acontece com o cérebro depois da meia-noite

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar