Carregando...

Varíola dos macacos surgiu em animais silvestres, mas pode saltar para outros?

Considerada uma emergência de saúde internacional, a atual onda de casos da varíola dos macacos (monkeypox) já infectou mais de 25,8 mil pessoas em todo o mundo. Neste momento, as transmissões do vírus estão concentradas no contágio de humano para humano, mas será que este agente infeccioso poderia ser transmitido de um humano para um animal? Até o momento, nenhum caso confirmou esta possibilidade.

Varíola dos macacos surgiu em animais silvestres, mas pode saltar para outros?
Foto: Moritz Kindler/Unsplash / Canaltech
  • É preciso monitorar a varíola dos macacos em animais, diz Ministério da Ciência
  • Varíola dos macacos: Europa e Ásia relatam primeiras mortes pela doença

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, "não há relatos de pessoas doentes transmitindo o vírus da varíola dos macacos para animais". No entanto, o inverso — a transmissão de animais silvestres para humanos — é bastante comum, especialmente em alguns países do continente africano.

  • Rotação da Terra está cada vez mais rápida, e isso preocupa cientistas
  • Autoridades chilenas investigam buraco misterioso; assista
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!
Até o momento, não foram identificados casos de transmissão da varíola dos macacos de humanos para animais (Imagem: Lucas McCombs/Unsplash)
Até o momento, não foram identificados casos de transmissão da varíola dos macacos de humanos para animais (Imagem: Lucas McCombs/Unsplash)
Foto: Canaltech

Em 2003, por causa da importação de animais silvestres da África para os EUA, a população norte-americana enfrentou o seu primeiro surto da doença. Os animais que seriam criados como se fossem de estimação transmitiram a varíola dos macacos para outros animais domésticos e para pelo menos 72 pessoas, que tiveram o diagnóstico confirmado para a doença.

Origem da varíola dos macacos

"Embora o reservatório animal seja desconhecido, acredita-se que pequenos mamíferos mantenham o vírus nos ambientes da África Ocidental e Central", explica o CDC. A partir do contato com essas espécies, através de arranhões ou do consumo de carne contaminada, os primeiros humanos se infectaram pelo vírus.

Para além dos humanos, "o vírus da varíola dos macacos pode infectar uma ampla gama de espécies de mamíferos, incluindo macacos, tamanduás, ouriços, cães da pradaria, esquilos e musaranhos", lembra o CDC. Inclusive, o nome da doença é parte desta confusão, já que o vírus foi somente isolado pela primeira vez em macacos, mas não se acredita que eles sejam o principal e nem o primeiro reservatório animal da doença.

No momento, alguns cientistas se perguntam se a varíola dos macacos poderia ser transmitida de humanos para outras espécies, o que ainda não se sabe. Em um cenário hipotético, isto poderia criar novos reservatórios animais para a doença, como ratos dos centros urbanos.

Animais podem ser um novo reservatório do vírus monkeypox?

Neste ponto, a maior necessidade para o controle da varíola dos macacos é evitar que a doença se estabeleça em novas espécies de animais, que vivem em outros continentes além do africano. Nas regiões em que isso ocorrer, é possível que a doença se torne endêmica, como já é em algumas regiões. Entre os exemplos, estão Gana e República Democrática do Congo.

Sempre que o vírus for controlado entre os humanos, novos casos podem surgir, possivelmente, relacionados a estes reservatórios animais. Nesse retorno, novas mutações poderiam ser identificadas no vírus da varíola dos macacos, especialmente no salto entre espécies, o que poderia limitar as de controle do agente infeccioso.

Fonte: Wired, Reuters e CDC     

Trending no Canaltech:

  • Site gratuito restaura fotos de maneira impressionante usando IA
  • Substituto do Onix? Chevrolet prepara lançamento de novo carro compacto
  • Cientistas explicam o que acontece com o cérebro depois da meia-noite
  • Startups participam de maior competição do Brasil e podem ir para fora do país
  • Como saber se um celular é 5G?


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*