Carregando...

Queda no preço de combustíveis aumenta projeção da Acic para vendas no Dia dos Pais e RMC pode faturar R$ 148 milhões

Acic prevê R$ 148 milhões de faturamento por conta do Dia dos Pais na RMC — Foto: Reprodução/EPTV

Acic prevê R$ 148 milhões de faturamento por conta do Dia dos Pais na RMC — Foto: Reprodução/EPTV

O faturamento no comércio da Região Metropolitana de Campinas (RMC) para o Dia dos Pais de 2022 deve bater a marca de R$ 148 milhões, 5,7% a mais do que o registrado em 2021. A projeção é da Associação Comercial e Industrial da metrópole (Acic), e foi revisada após os anúncios de queda nos preços de combustíveis e da energia elétrica. Há cerca de dez dias, a previsão era de uma movimentação menor que no ano passado.

Em entrevista ao g1 nesta quarta-feira (3), o economista da instituição, Laerte Martins, disse que o estudo apontava para um faturamento com as vendas de R$ 138 milhões na RMC e R$ 67,5 milhões em Campinas. A mudança repentina de cenário favorece a expectativa do comércio para esta época do ano - mas ainda fica distante da realidade pré-pandemia, em 2019.

Entre os pontos que pesaram na análise, Martins destacou mudanças no câmbio e reflexos da guerra entre Rússia e Ucrânia.

"A pressão da guerra estava muito forte, e a perspectiva era de uma certa recessão na RMC. O reflexo na bolsa de valores aqui e nas outras atividades estava sendo mais restritivo. Agora, tivemos a baixa da gasolina, da energia, tudo isso levou o consumidor a ficar mais propenso a melhorar o seu poder de compra", explicou.

No caso da metrópole, as vendas devem superar R$ 77 milhões na data, diante dos incentivos na economia.

Movimentação no Dia dos Pais

  • RMC
    2021: R$ 140 milhões
    2022: R$ 148 milhões
  • Campinas
    2021: R$ 66,5 milhões
    2022: R$ 77 milhões

LEIA MAIS

  • Preços dos combustíveis nos postos voltam a recuar nesta semana; gasolina cai ao menor valor em mais de 1 ano
  • Conta de luz segue sem cobrança adicional em agosto, decide Aneel

54% da movimentação pré-pandemia

Comparado a 2021, o período atual está mais próximo da normalidade pré-pandemia, com a volta de centros comerciais, ruas e shoppings mais movimentados, diante da queda no número de casos e mortes por Covid-19.

Apesar disso, 2019 consolidou uma renda para o setor no Dia dos Pais muito superior, de R$ 275,5 milhões na Região Metropolitana, sendo R$ 126 milhões só em Campinas. Isso significa que o valor atual previsto é 54% do montante registrado naquele ano.

Esta mesma diferença não ocorreu em relação ao Dia das Mães, por exemplo, que segundo Laerte foi quase equivalente ao período pré-pandemia este ano.

"Havia uma expectativa de recuperar mais, mas não com essa potencialidade. Poderia chegar mais próximo de 2019, mas tivemos, além desses fatores positivos, a perspectiva da inflação com um poder muito forte, os juros estão condicionando muito e o próprio câmbio também afeta", disse o economista.

Entre as grandes datas do comércio, Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Namorados historicamente se destacam. "A data menos agressiva sempre foi o Dia dos Pais, mas isso é natural. Não há previsão de contratação de mão de obra temporária".

Queda nas vendas online

Em relação ao comércio eletrônico que bombou nos últimos dois anos como opção de compra, Laerte Martins afirmou que houve uma queda de cerca de 4,38%, de acordo com o estudo, em comparação com 2021 - neste caso, 2019 não é considerado, porque as vendas digitais não eram tão representativas.

"O pessoal, com a perspectiva de melhora do setor de compra, foi mais às lojas físicas, houve um aumento. O frete mais alto também acabou facilitando a ida às lojas."

A recuperação nas vendas fisicas, presenciais, é uma tendência. Para se ter uma ideia, entre 2021 e 2020 houve uma queda de 40% na região, por conta do fechamento das lojas na pandemia.

Centro de Campinas durante período mais crítico da pandemia da Covid-19, com lojas fechadas — Foto: DENNY CESARE/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Centro de Campinas durante período mais crítico da pandemia da Covid-19, com lojas fechadas — Foto: DENNY CESARE/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Preço médio dos presentes

Quanto ao valor gasto, a mudança foi pequena. O custo médio do presente, apontado pelo estudo da Acic, deve ser de R$ 128,00, 2,4% maior do que os R$ 125,00 do ano passado.

"O valor médio de compra depende da qualidade e do tamanho do presente. Vestuário, calçados ainda seguem, mas perfumes e eletroeletrônicos são destaques", avaliou Martins.

VÍDEOS: confira outros destaques da região

Veja mais notícias da região no g1 Campinas


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*