Carregando...

Dois acusados são condenados por morte de professor que desapareceu em Ponta Grossa

Dois acusados de matar professor em Ponta Grossa são condenados

Dois acusados de matar professor em Ponta Grossa são condenados

Dois acusados pela morte de um professor em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, foram condenados por homicídio qualificado em júri popular que ocorreu na quarta-feira (22). Eles também foram considerados culpados pelo crime de furto qualificado por utilizarem o cartão da vítima.

Lucas Ferreira de Oliveira desapareceu em dezembro de 2019. Ele morava em São Paulo e estava na cidade paranaense para visitar o filho, segundo a polícia. A ex-mulher dele, Patrícia Bruning Machenho, foi presa cinco dias após o desaparecimento. Relembre, abaixo, o caso.

Emerson Luis Martins Ferreira foi condenado a mais de 32 anos de prisão em regime fechado por homicídio duplamente qualificado mediante pagamento e recurso que dificultou defesa da vítima, além de dois furtos qualificados.

Já Marcio Rodrigues foi condenado a mais de 23 anos de prisão por homicídio qualificado mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e dois furtos qualificados.

O g1 tenta contato com a defesa dos condenados.

A família da vítima afirmou sentir um pouco de alívio com o resultado e que aguarda o julgamento da ex-mulher de Lucas, acusada de ser mandante do crime.

Professor morava em São Paulo e estava em Ponta Grossa para visitar o filho — Foto: Reprodução/RPC

Professor morava em São Paulo e estava em Ponta Grossa para visitar o filho — Foto: Reprodução/RPC

O caso

O professor Lucas Ferreira de Oliveira foi para Ponta Grossa com a noiva e familiares para visitar o filho, que morava à época na cidade com a mãe. A Polícia Civil informou que ele desapareceu no dia 15 de dezembro, após sair para buscar a criança na casa da ex-mulher.

Após a prisão, Patrícia Bruning Machenho afirmou que o homem estava morto. Ela disse à polícia que foi ameaçada para atrair o professor para que ele fosse morto.

Um dia após o desaparecimento do professor, a ex-mulher de Lucas registrou um boletim de ocorrência contra o professor por ameaça. Segundo a polícia, a suspeita fez isso para despistar o que aconteceu.

O corpo do professor foi encontrado em avançado estado de decomposição no dia 22 de dezembro de 2019, em uma chácara no bairro Colônia Dona Luíza. Ele foi sepultado em São Paulo.

As investigações mostraram, ainda, que o crime foi feito a pedido da ex-mulher. Ela foi indiciada, mas ainda aguarda julgamento.

Veja mais notícias da região em g1 Campos Gerais e Sul.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*