Carregando...

120 animais vão ser abatidos em região com foco de peste suína no Ceará

Cidade de Marco registra foco de peste suína

Cidade de Marco registra foco de peste suína

Após a identificação de peste suína clássica em uma criação de subsistência, 120 animais de propriedades vizinhas ao local do foco da doença serão sacrificados para conter a disseminação do vírus em Marco, no interior do Ceará. A informação foi repassada pelo gerente de gestão do meio agropecuário da Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (Adagri), Jarier Oliveira.

"Inicialmente a propriedade foco é interditada, ou seja, nenhum animal pode sair da propriedade. Após isso, fizemos uma força-tarefa na região para verificar quais propriedades circunvizinhas têm vínculo com o local do foco. Dentro desse caso, 20 produtores foram notificados, totalizando 120 suínos que deverão ser abatidos", disse Jarier.

A doença tem deixados os moradores da região apreensivos, porémnão causa riscos à saúde humana . "É uma doença que não passa para o ser humano, mas como é questão de saúde pública, com mortalidade dos animais, é um problema muito grande e que deve ser contido", ressalta o gerente da Agência.

O foco na cidade cearense foi notificado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que divulgou um comunicado oficial sobre a ocorrência na segunda-feira (11). O caso foi identificado durante uma ação de vigilância epidemiológica de rotina, realizada pelos fiscais médicos-veterinários da Adagri.

LEIA TAMBÉM

  • Peste suína não oferece risco à saúde humana; entenda a doença
  • Foco de peste suína clássica é registrado em Marco, no Ceará
  • Governo brasileiro reforça vigilância após 1º caso de peste suína africana nas Américas
  • Brasil estrutura rede de diagnóstico de peste suína africana

Na propriedade foco da doença nove animais foram diagnosticados com peste suína clássica. Destes, oito porcos morreram e um teve de ser sacrificado. Os outros 120 animais dos vizinhos devem ser abatidos nesta sexta-feira (15), segundo Jarier. E, a partir da próxima semana, a vigilância na região serão aumentada para 3 quilômetros ao redor do foco.

O gerente da Adagri ressalta que os produtores que terão os animais sacrificados serão indenizados através de um benefício pago parte pelo Fundo de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Fundeagro) e parte pelo Ministério da Agricultura. "O animal é avaliado e o valor é calculado em cima do peso vivo, de acordo com a cotação para cada animal", disse Jarier.

Peste suína clássica

A peste suína clássica (PSC), registrada no Ceará, também é conhecida como febre ou cólera suína e afeta suínos domésticos e selvagens. A doença é causada por um vírus.

O vírus é encontrado nas secreções e excreções do animal infectado e pode ser transmitido pelas vias direta (contato entre animais, aerossóis, suas secreções e excreções, sangue e sêmen) ou indireta (água, alimentos, fômites, trânsito de pessoas, equipamentos, materiais, veículos, vestuários, produtos, alimentos de origem animal), entrando no organismo por via oral e oro-nasal.

Zonas livres

O Ceará não faz parte das zonas livres de preste suína clássica no Brasil, que é composta por 15 estados e pelo Distrito Federal. Estes locais não registram casos da doença desde janeiro de 1998. São eles: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Tocantins, Rondônia e Acre.

O último caso de peste suína clássica no país ocorreu em outubro do ano passado, em uma criação de subsistência no Piauí.

Assista às notícias do Ceará no g1 em 1 Minuto

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*