Carregando...

Animal microscópico sobrevive 24 mil anos no permafrost siberiano

Animal microscópico sobrevive 24 mil anos no permafrost siberiano

Animal microscópico sobrevive 24 mil anos no permafrost siberiano

Um animal microscópico chamado rotífero bdeloide voltou à vida após permanecer congelado por cerca de 24 mil anos no permafrost da Sibéria e, posteriormente, conseguiu se reproduzir assexuadamente, informou uma equipe de cientistas russos na segunda-feira (7).

Stas Malavin, coautor de um artigo na revista Current Biology sobre a descoberta, disse à AFP que ela levanta questões intrigantes sobre quais mecanismos o animal multicelular usou para suportar seu longo descanso.

"Nosso relatório é a prova mais concreta até o momento de que animais multicelulares podem suportar dezenas de milhares de anos em criptobiose, o estado de metabolismo quase completamente interrompido", disse Malavin, do Instituto de Problemas Físico-Químicos e Biológicos em Ciências do Solo, localizado em Pushchino, Rússia.

A equipe de pesquisa usou uma plataforma de perfuração para coletar amostras do núcleo do rio Alazeya, no Ártico russo, e então usou datação por radiocarbono para determinar que a idade do espécime estava entre 23.960 e 24.485 anos.

  • Pesquisadores descobrem DNA mais antigo do mundo em mamutes da Sibéria; veja VÍDEO
  • Esqueleto bem preservado de mamute é encontrado em lago no Ártico russo

Eles já haviam identificado micróbios unicelulares capazes de feitos semelhantes. Em organismos multicelulares, houve um relato de um verme nematoide de 30 mil anos que voltou à vida. Musgos e algumas plantas também se regeneraram após milhares de anos no gelo.

Os rotíferos agora podem ser adicionados à lista de organismos que aparentemente podem sobreviver indefinidamente, disse Malavin.

Uma vez descongelado, o animal foi capaz de se reproduzir assexuadamente por meio de um processo denominado partenogênese.

Os rotíferos têm cerca de meio milímetro de comprimento e geralmente vivem em ambientes de água doce.

Seu nome é derivado do latim para "portador de roda", que se refere à coroa em torno de sua boca, que se parece com uma roda giratória. Eles a usam para se mover e se alimentar.

"Podemos usar este organismo como modelo para estudar a sobrevivência por congelamento e a sobrevivência por secagem neste grupo, e comparar este grupo com outros animais resistentes, como tardígrados, nematoides, etc", acrescentou Malavin.

Veja VÍDEOS de ciência e saúde:

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*