Carregando...

Dia Mundial do Meio Ambiente: 'Cerrado é sinônimo de bem-estar e qualidade de vida', diz biólogo do DF

Vegetação típica do cerrado — Foto: Allf Lima

Vegetação típica do cerrado — Foto: Allf Lima

Neste sábado (5), é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data tem o objetivo de chamar atenção para problemas ambientais e a preservação dos recursos naturais. No Distrito Federal, essa preocupação se expressa principalmente no cuidado com o Cerrado, bioma predominante na capital e que já perdeu de 40% a 60% de área.

Segundo o biólogo mestre em botânica Gustavo Rocha, a preservação desse ecossistema é fundamental, porque ele tem função de equilíbrio. "O Cerrado é sinônimo de bem-estar e qualidade de vida para quem vive em seu território. Muitos não percebem isso, mas são beneficiados mesmo assim", diz.

  • Dia Nacional do Cerrado: bioma concentra espécies únicas e enfrenta desafios na preservação
  • Pequenos agricultores do DF aliam produção de orgânicos com preservação do Cerrado
  • Cerrado: mais de 6,9 mil hectares do bioma foram queimados no DF até agosto

De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), ecossistemas como o Cerrado brasileiro estão entrando em colapso e são essenciais para a manutenção da sociedade. Em entrevista ao G1, o especialista, que é consultor em restauração de ecossistemas, fala sobre a degradação, preservação e curiosidades sobre o bioma.

Gustavo Rocha é biólogo mestre em botânica e consultor em restauração de ecossistemas — Foto: Arquivo pessoal

Gustavo Rocha é biólogo mestre em botânica e consultor em restauração de ecossistemas — Foto: Arquivo pessoal

Leia a entrevista completa

G1 - Qual é a importância do ecossistema do Cerrado para o meio ambiente?

Biólogo Gustavo Rocha: Defino que a maior importância do Cerrado é garantir equilíbrio. Cerrado, na prática, significa equalização da demanda por uma vida melhor e oferta de recursos. De São Paulo ao Maranhão e do Mato Grosso à Minas Gerais, o Cerrado é a casa de aproximadamente 20 milhões de brasileiros. É dele que, com qualidade, respiramos, bebemos, comemos, vestimos e nos curamos.

Podemos citar a importância do Cerrado especificamente pela eficiência da cobertura vegetal nativa em conferir conectividade da paisagem e interligar todos os outros biomas brasileiros em extensos corredores genéticos. Isso é equilíbrio de vetores.

A cobertura vegetal do Cerrado exerce fundamental e competente função de proteção do solo, evita erosões superficiais e perda de nutrientes. O Cerrado é um verdadeiro complexo de biodiversidade, que poderia ser melhor aproveitado pela agricultura para alcançar melhor equilíbrio.

Flor típica do Cerrado — Foto: Gustavo Rocha

Flor típica do Cerrado — Foto: Gustavo Rocha

Esses benefícios vão além dos aproximados 2 milhões de km² originais do território do Cerrado e alcançam os demais territórios do Brasil, especialmente com vazão de água doce. Popularmente este bioma é chamado de "caixa d’água do Brasil".

Para entender que a água de fato é estocada no subsolo do Cerrado e disponibilizada ao longo do ano, basta nos perguntarmos como os cursos de água permanecem ativos após 5 ou 6 meses sem chuvas. Isso que ocorre todos os anos é a prova da dinâmica da água absorvida, estocada e vertida rio a fora.

G1 - Quanto de cerrado o Brasil tinha originalmente e quanto tem agora? Qual a maior causa dessa perda?

Biólogo Gustavo Rocha: Originalmente, eram 2 milhões de km². A estimativa de conversão [para outros tipos de uso] é de 40% a 60% do território.

A agricultura e pecuária extensivas são as atividades que mais impactam o Cerrado nativo. Além disso, os incêndios criminosos anuais, no período de estiagem, afetam também as áreas nativas pela sua frequência e intensidade.

Mapa do desmatamento do Cerrado — Foto: ISPN/Reprodução

Mapa do desmatamento do Cerrado — Foto: ISPN/Reprodução

O Cerrado não pode ser desmatado em São Paulo, enquanto em outras regiões, a conversão de cerrado em agricultura é a regra, como na fronteira agrícola ao norte do país. E essa realidade às vezes está fora do dia a dia da população que vive nas cidades integralmente.

Então convido a população em geral a se perguntar se a árvore que tem em casa é uma nativa do cerrado, se parte da sua chácara ainda tem remanescente da vegetação nativa original, ou de onde vem a água que abastece sua casa.

G1 - Como é possível preservar o Cerrado?

Biólogo Gustavo Rocha: Engajamento é a palavra-chave e a estratégia para revertermos a realidade que construímos até o momento. Ajudar a comunidade a notar, na prática, que a preservação do Cerrado tem por finalidade garantir recursos a nós mesmos.

Chegamos em uma condição de relacionamento com o Cerrado que inclui, ativamente, produzir mais áreas naturais, além de, passivamente, manter aquelas remanescentes.

Flor típica do Cerrado — Foto: Gustavo Rocha

Flor típica do Cerrado — Foto: Gustavo Rocha

Na prática, isso significa adotar condutas diárias que efetivem a economia circular, agricultura regenerativa e restauração de áreas degradadas ou alteradas de modo constante, no mesmo ritmo com o qual consumimos água e alimento por exemplo. Diversas instituições de diversos setores da sociedade oferecem alternativas que viabilizam essas questões na prática, mas a chave da mudança está com a sociedade como um todo, pois diz estamos falando de uma conduta social.

G1 - Quais as principais curiosidades sobre o bioma?

Biólogo Gustavo Rocha: Por incrível que pareça, o Cerrado é uma formação que evoluiu com o fogo. Ou seja, queimas fazem parte da natureza desse bioma. Mas estou me referindo ao fogo natural, menos frequente, menos intenso e presente durante a estação chuvosa do ano.

Uma curiosidade bem chocante é que o Cerrado está sobre o maior reservatório de água doce do planeta, o aquífero Guarani.

Outra curiosidade é que o Cerrado abriga pelo menos 11 formações vegetais diferentes, chamadas tecnicamente de fitofisionomias, desde aquelas florestais até as formações naturais campestres, que tem apenas gramíneas e herbáceas rasteiras.

Vegetação típica do Cerrado — Foto: Allf Lima

Vegetação típica do Cerrado — Foto: Allf Lima

Conheça o Cerrado

O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro, ocupando 24% do território nacional, e é considerada a savana mais biodiversa do mundo, concentrando 5% de toda a biodiversidade do planeta. Nele, vivem cerca de 25 milhões de pessoas, distribuídas em 1.330 municípios.

Além do DF, o bioma está presente em outras dez unidades federativas do Brasil. São elas:

  • Minas Gerais,
  • Goiás,
  • Tocantins,
  • Bahia,
  • Maranhão,
  • Mato Grosso,
  • Mato Grosso do Sul,
  • Piauí,
  • São Paulo,
  • Paraná,
  • Rondônia

De acordo com a Organização Pequi Pesquisa e Conservação do Cerrado, o ecossistema abriga oito das 12 regiões hidrográficas brasileiras e abastece seis das oito grandes bacias hidrográficas do Brasil: Amazônica, Araguaia/Tocantins, Atlântico Norte/Nordeste, São Francisco, Atlântico Leste e Paraná/Paraguai.

Além disso, é no Cerrado onde estão localizados três dos principais aquíferos do país:

  • Bambuí
  • Urucuia
  • Guarani

A contribuição hídrica do ecossistema para a vazão da bacia do Paraná chega a 50%; à bacia do Tocantins chega a 62%; e na bacia do São Francisco, a 94%. O bioma Pantanal é totalmente dependente da água do Cerrado e grande parte da energia consumida no Brasil é gerada com as águas desse bioma.

Estudos apontam que existem cerca de 10 mil espécies de plantas no Cerrado, das quais 44% são exclusivas, além de uma fauna riquíssima com:

  • 250 espécies de mamíferos
  • 856 espécies de aves
  • 800 espécies de peixes
  • 262 espécies de répteis
  • 204 espécies de anfíbios

A sazonalidade climática é uma característica marcante que dá ao Cerrado a capacidade de resistir às secas. A diversidade de solos e topografias proporciona a ocorrência de uma enorme diversidade de ecossistemas.

A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) declarou que o período de 2021-2030 será a "Década da Restauração de Ecossistemas". Nesse período, o principal objetivo é aumentar os esforços para restaurar ecossistemas degradados, criando medidas eficientes para combater a crise climática, alimentar, hídrica e a perda de biodiversidade.

VÍDEOS: Natureza e meio ambiente

200 vídeos

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*