Carregando...

Veja o que se sabe sobre caso de técnica de enfermagem morta por causa de dívida no DF

Danyanne da Cunha Januário da Silva desapareceu depois de sair para cobrar dívida, no DF — Foto: Arquivo pessoal

Danyanne da Cunha Januário da Silva desapareceu depois de sair para cobrar dívida, no DF — Foto: Arquivo pessoal

O assassinato da técnica de enfermagem Danyanne da Cunha Januário da Silva, de 35 anos, mobilizou a Polícia Civil do Distrito Federal na última semana. Ela foi encontrada morta nesta quarta-feira (3), em Brazlândia, depois de uma semana desaparecida.

Segundo a polícia, Danyanne era agiota e foi assassinada pelos homens que a ajudavam a encontrar clientes. Dois suspeitos já estão presos. No entanto, o homem que seria responsável por atirar na vítima ainda não foi localizado.

LEIA TAMBÉM:

  • INVESTIGAÇÃO: técnica de enfermagem atuava como agiota e foi morta por dívida de R$ 35 mil, diz polícia do DF
  • CORPO ENCONTRADO: técnica de enfermagem que desapareceu após sair para cobrar dívida foi morta com tiro na cabeça, diz polícia

O g1 lista abaixo o que se sabe sobre o caso. Confira:

Suspeitos de planejar morte de técnica de enfermagem são presos, no DF

Suspeitos de planejar morte de técnica de enfermagem são presos, no DF

  • Como Danyanne foi morta?

De acordo com a investigação, Danyanne foi vítima de uma emboscada. A polícia aponta que ela morreu com um tiro na cabeça, no mesmo dia do desaparecimento.

O suspeito de ter dado o tiro, conhecido como 'Negão', teria simulado um assalto no momento em que ela estava com os outros dois homens, com quem dividia os lucros da agiotagem.

  • Qual foi a motivação do crime?

De acordo com a polícia, os suspeitos – que trabalhavam com Danyanne – ganharam a confiança da vítima e começaram a "simular" clientes que não existiam para pegar dinheiro para uso próprio. Por receio de não conseguir devolver o valor, eles decidiram matar a técnica de enfermagem.

Aos policiais, os presos disseram que a dívida era de R$ 35 mil. No entanto, a família de Danyanne afirma que ela mantinha anotações sobre todos os empréstimos, e que o valor pode chegar a R$ 80 mil.

A polícia afirma que a mulher não desconfiava nem chegou a cobrar a dívida dos cúmplices. Em depoimento, os presos disseram que "temiam alguma possível retaliação se não pagassem a dívida".

  • Como funcionava o esquema de agiotagem?

Segundo a Polícia Civil, Danyanne emprestava dinheiro a juros de 50%. Os dois homens presos atuavam com ela, e eram responsáveis por encontrar pessoas interessadas nos empréstimos. Eles ficavam com 60% do valor dos juros, e ela, com 40%.

Um dos suspeitos fazia parte do esquema há cerca de dois anos, segundo os policiais. O outro teria começado em fevereiro passado.

  • O crime foi planejado?

Segundo o delegado Lúcio Valente, da 29ª DP, do Riacho Fundo, cerca de duas semanas antes do crime, um dos suspeitos passou a falar com o outro que queria "dar um fim" em Danyanne.

A polícia afirma que eles foram ao local onde a vítima foi executada, um terreno no Incra 9, em Brazlândia, antes do crime.

No dia da morte, os dois presos entraram em contato com a vítima e disseram que fariam o repasse semanal do dinheiro conseguido com o esquema.

Ainda de acordo com a investigação, acreditando que "seria um encontro rápido", Danyanne não levou o celular e deixou os dois filhos, de 11 anos e de 13 anos, em casa.

  • Os presos confessaram o crime?

De acordo com a investigação, um dos presos confessou o crime, mas o segundo nega. Os dois foram autuados em flagrante por ocultação de cadáver e, segundo a polícia, serão responsabilizados também por homicídio qualificado e roubo de veículo.

  • Onde está o terceiro suspeito?

Polícia Civil divulga imagens do suspeito de atirar e matar técnica de enfermagem, no DF

Polícia Civil divulga imagens do suspeito de atirar e matar técnica de enfermagem, no DF

A Polícia Civil ainda não localizou o terceiro suspeito de cometer o crime. O homem é conhecido pelo apelido "Negão" e teria sido o responsável por atirar na vítima.

Câmeras de segurança mostram o suspeito andando por uma rua, no Riacho Fundo, mesma região onde a técnica de enfermagem morava. O vídeo é de 27 de julho, data em que a mulher foi vista pela última vez (veja acima).

Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar