Carregando...

Coreia do Norte: "'Round 6' mostra fracasso do capitalismo"

O sucesso de "Round 6" cruzou a fronteira extremamente vigiada entre as Coreias e passou a ser usado pela ditadura repressiva da Coréia do Norte como prova de que a cultura capitalista da Coréia do Sul é um fracasso "violento".

  • Criador de "Round 6" adianta detalhes da 2ª temporada
  • Placa de trânsito é confundida com símbolos de 'Round 6'
  • 'Round 6' vai retirar número de telefone real da série
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

O site de propaganda norte-coreano Arirang Meari publicou uma crítica do drama de sobrevivência, descrevendo-o como um retrato da "triste realidade de uma sociedade sul-coreana violenta".

Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

"'Round 6′ ganhou popularidade porque expõe a realidade da cultura capitalista sul-coreana", diz o texto publicado na terça (12/10), e revela "um mundo em que só o dinheiro importa - um horror infernal", no qual "a corrupção e os canalhas imorais são comuns".

"É a atual sociedade sul-coreana, onde o número de perdedores da competição acirrada por empregos, imóveis e ações aumenta dramaticamente", segue o artigo de Arirang Meari.

A Netflix não comentou a crítica comunista negativa.

A trama da atração acompanha 456 competidores que, sufocados por dívidas, aceitam participar de uma competição mortal de origem misteriosa, lutando uns contra os outros em uma série de jogos infantis pela chance de ganhar 45,6 bilhões de won (cerca de US$ 38,5 milhões) em dinheiro.

Um arco de história que pode ter enfurecido particularmente o regime da Coreia do Norte envolve a principal personagem feminina da história, Kang Sae-byeok (Jung Ho-yeon), que é um desertora norte-coreana e entrou no torneio para tirar seu irmão mais novo de um orfanato e resgatar sua mãe, detida na China depois de fugir da Coreia do Norte.

Série mais popular da Netflix em todos os tempos, "Round 6" bateu o recorde de visualizações da plataforma ao ser assistida por 111 milhões de perfis de assinantes em todo o mundo, nos primeiros 25 dias de sua disponibilização.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*