Carregando...

Congresso de El Salvador aprova lei para adotar bitcoin como moeda de curso legal

O Congresso de El Salvador aprovou na madrugada de quarta-feira (9) uma lei que classificará o bitcoin como uma moeda de curso legal no país, o que faz da nação da América Central a primeira a adotar uma criptomoeda, com o objetivo de dinamizar sua economia.

"A presente lei tem como objeto a regulamentação do bitcoin como moeda de curso legal, irrestrito com poder liberatório, ilimitado em qualquer transação", afirma um trecho do artigo 1 da norma aprovada, denominada Lei Bitcoin, que será enviada para a respectiva promulgação pelo presidente Nayib Bukele.

A Lei Bitcoin tem apenas 16 artigos e foi aprovada com os votos de 62 deputados, incluindo os 56 da bancada do partido majoritário Novas Ideias (NI) e aliados do presidente Bukele.

  • SAIBA MAIS: Entenda o que são Bitcoins e quais os riscos
  • Saiba quem é Nayib Bukele, o presidente da 'geração Y', que deve mandar até no judiciário em El Salvador

"A Lei Bitcoin acaba de ser aprovada por maioria qualificada na Assembleia Legislativa. 62 de 84 votos! História!", celebrou o presidente no Twitter.

O projeto de lei foi apresentado aos legisladores na terça-feira à noite pela ministra da Economia, María Luisa Hayem, e após um rápido debate na Comissão de Finanças do Congresso recebeu o aval para ser apresentado ao plenário, onde foi aprovado. Os partidos de oposição não apoiaram o texto.

De acordo com a lei, "a taxa de câmbio" entre o bitcoin e o dólar americano "será estabelecida livremente pelo mercado".

"Esta é uma lei que colocará El Salvador no radar do mundo, seremos mais atrativos para os investimentos estrangeiros", afirmou o deputado Romeo Auerbach, do partido Grande Aliança pela Unidade Nacional (Gana), também aliado de Bukele.

O boné de time com a aba virada para trás já virou a marca registrada de Nayib Bukele, presidente de El Salvador. — Foto: Stanley Estrada/AFP

O boné de time com a aba virada para trás já virou a marca registrada de Nayib Bukele, presidente de El Salvador. — Foto: Stanley Estrada/AFP

A deputada Anabel Belloso, da opositora Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), lamentou que "a lei não tenha sido discutida com especialistas, nem com paciência".

"A lei tem muitas implicações no âmbito econômico e nem todos sabem como isto vai funcionar, levando em consideração que criptomoedas são voláteis no mercado, são instáveis", disse Belloso.

De acordo com a lei, "qualquer agente econômico deverá aceitar o bitcoin como forma de pagamento", mas serão "excluídos" de receber pagamentos em bitcoin aqueles que "por fato notório e de maneira evidente não têm acesso às tecnologias que permitem executar as transações em bitcoin".

A lei também afirma que para "fins contábeis" o dólar americano será utilizado como "moeda de referência" e destaca que "todas as obrigações em dinheiro expressas em dólares, existentes antes da data de entrada em vigor da presente lei, poderão ser pagas em bitcoin".

De acordo com o projeto de lei aprovado, o Estado "fornecerá alternativas" que permitam ao usuário "conversibilidade automática e instantânea do bitcoin para dólar caso deseje".

Bitcoin: Saiba o que é e como funciona a mais popular das criptomoedas

Bitcoin: Saiba o que é e como funciona a mais popular das criptomoedas

Alta volatilidade

Para Carlos Acevedo, economista e ex-presidente do Banco Central de El Salvador, o uso das criptomoedas representa riscos, especialmente a "volatilidade".

"As criptomoedas são muito voláteis e arriscadas para que possam cumprir suas funções básicas de dinheiro como reserva de valor, meio de troca e unidade de conta, como aprendem os estudantes de Economia a partir dos cursos introdutórios da profissão", afirmou Acevedo em um artículo publicado no jornal digital El Faro.

De acordo com o presidente Bukele, dar ao bitcoin curso legal no país tem como objetivo gerar empregos e também "dar inclusão financeira a milhares de pessoas fora da economia formal".

De acordo com Bukele, "70% da população salvadorenha não tem conta bancária e trabalha na economia informal".

O presidente destacou que entre os aspectos que podem melhorar com o uso do bitcoin está o envio de remessas por parte dos salvadorenhos que moram no exterior.

Para o chefe de Estado, o bitcoin representa "a forma de crescimento mais rápido para transferir" os bilhões de dólares em remessas e evitar que "milhões de dólares" sejam perdidos com intermediários.

Na economia dolarizada de El Salvador, as remessas enviadas por salvadorenhos a partir do exterior equivalem 22% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 2020, as remessas totalizaram 5,918 bilhões de dólares, um aumento de 4,8% na comparação com 2019, de acordo com os dados oficiais.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*