Carregando...

Eike Batista chega à quarta tentativa de vender bens: novo leilão é marcado para segunda-feira

O ex-bilionário Eike Batista terá uma nova chance de vender seus títulos de dívida da mineradora britânica Anglo American e que foram incluídos na falência da mineradora MMX, conforme fontes a par do assunto. O quarto leilão desses bens está marcado para o fim da tarde da próxima segunda-feira, 12. A diferença dos certames anteriores é que não haverá uma exigência de preço mínimo. No entanto, será necessária a apresentação de garantia bancária de quem entregar a proposta.

Empresário não é mais o principal gestor e membro do conselho da empresa Foto: Wilton Júnior/Estadão

Os nomes dos candidatos a comprarem os títulos seguirão os mesmos, informou uma fonte. Os envelopes já entregues com manifestação de interesse partiram dos bancos BTG Pactual e Credit Suisse. Também participam as gestoras estrangeiras OakTree e Vox Royalty, além da corretora Argenta Securities, empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas e que chegou a fazer uma oferta de R$ 612 milhões.No último leilão o preço mínimo foi de R$ 1,25 bilhão, já abaixo do primeiro leilão, cujo valor tinha sido estabelecido em R$ 1,8 bilhão. Na segunda-feira, o leilão foi marcado para às 18h.

  • Empresário é assassinado após ser sequestrado em São Paulo
  • Rock In Rio: saiba quais foram os cachês mais caros da história do festival
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Saga de Eike

    Os títulos de dívida que estão sendo negociados são da Anglo American, que hoje pertencem à massa falida da MMX, antiga mineradora do falido império EBX. O ativo vendido se trata de uma debênture participativa, que é um título de dívida que garante também uma fatia da geração de caixa da Anglo American.

    Esse papel remonta da época em que Eike, ainda no auge, vendeu a antiga Minas-Rio à Anglo American, em 2008. Apesar desses títulos pertencerem à Eike, o dinheiro a ser arrecadado não irá para o seu bolso, mas sim para a massa falida da MMX. O banco de investimentos BR Partners foi a instituição financeira contratada para conduzir o processo.

    Em junho, na primeira tentativa de venda desses títulos, foi colocado um preço mínimo de US$ 350 milhões - hoje cerca de R$ 1,8 bilhão. O único interessado na ocasião, contudo, foi um nome polêmico, de Renato Cruz Costa, dono do RC Group. Ele acabou sendo desqualificado pela existência de processos nos quais é acusado de estelionato e do não pagamento de dívidas.


    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*