Carregando...

Oposição diz que assumiu comando da Fiesp, mas presidente nega - Notícias - R7 Economia

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) teve uma reviravolta política nesta sexta-feira (20). O grupo de oposição ao atual presidente da entidade, Josué Gomes da Silva, emitiu nota aos diretores e conselheiros, no fim da tarde, informando que o vice-presidente Elias Miguel havia assumido o comando da instituição interinamente.

O comunicado foi assinado por Ronaldo Koloszuk Rodrigues, que é o segundo diretor secretário da Fiesp.

No início da noite, Josué Gomes da Silva desmentiu a informação. Em um comunicado, afirmou  ter recebido a notícia sobre o vice-presidente com “absoluta surpresa”, disse estar legalmente no comando da Fiesp e acrescentou que os responsáveis “sofrerão consequências administrativas, trabalhistas e eventualmente em outras esferas”.

Segundo o texto, a atitude é “isolada, desproporcional e irresponsável”, que pode provocar “riscos econômicos, jurídicos e trabalhistas” para a entidade.

Na última segunda-feira (16), uma assembleia decidiu a destituição do empresário do comando da Fiesp, por 47 votos a 1. Houve ainda duas abstenções. Essa votação, no entanto, é considerada internamente como sem validade, por não ter sido convocada com antecedência e realizada quando representantes dos setores de maior peso, e apoiadores de Josué, já tinham deixado a sede da federação, na avenida Paulista.

De acordo com o jurista Miguel Reale Júnior, um dos advogados de defesa de Josué, o empresário deve levar o caso para a Justiça já no início da próxima semana.

Nesta sexta-feira, os integrantes do Conselho Superior Jurídico da Fiesp divulgaram um manifesto de apoio a Josué Gomes. 

O executivo sempre foi visto como um nome próximo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele é filho de José Alencar, morto em 2011, vice do petista nos seus dois primeiros mandatos. Ele foi convidado para ocupar o posto de ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, mas recusou a proposta.

A Fiesp é a entidade patronal mais importante do país, e seus posicionamentos têm repercussão nacional e influência em pautas do Congresso. Não por acaso, no dia da assembleia, Josué chamou o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) para almoçar e dar uma demonstração de força.

A disputa política dentro da instituição começou a ficar evidente com o manifesto em favor da democracia divulgado em julho do ano passado. O apoio ao documento também marcou o rompimento definitivo entre Josué e Paulo Skaf — que ficou 18 anos no comando da Fiesp e passou a estimular um movimento contra o seu sucessor. O ex-presidente da entidade declarou voto em Bolsonaro no segundo turno da eleição de 2022.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*