Carregando...

Edenílson presta queixa à polícia por injúria racial em Inter e Corinthians

O duelo entre Internacional e Corinthians, neste sábado (14), no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, acabou ficando ofuscado por mais uma acusação de racismo no futebol brasileiro. Dessa vez, o volante Edenílson, do clube gaúcho, acusou o lateral português Rafael Ramos, do time paulista, de injúria racial. Depois do duelo, prestou depoimento a policiais civis que foram aos vestiários do estádio para averiguar o caso.

A acusação se deu após lance aos 30 minutos do segundo tempo. Indignado com o que ouviu em uma disputa por espaço – teria sido chamado de “macaco” –, Edenílson conversou com o árbitro Braulio da Silva Machado e com jogadores do Corinthians, o que levou a partida a ficar paralisada por alguns minutos.

Na sequência do jogo, personagens dos dois clubes se manifestaram a respeito do caso. Os dois atletas envolvidos no incidente, porém, não se manifestaram à imprensa. E o Inter emitiu nota oficial publicada em seu perfil no Twitter.

“Mais uma vez, um lamentável caso de racismo é registrado em nosso futebol. Desta vez, em nossa casa, contra um jogador do Inter. Na partida deste sábado, pelo Brasileirão, Edenílson relata ter sofrido injúria racial por parte de Rafael Ramos, atleta do Corinthians. É inadmissível que ainda ocorram fatos desse tipo em 2022, não há espaço para o racismo em nossa sociedade. O Clube do Povo reitera que repudia todo e qualquer ato de preconceito e apoia o seu atleta”, escreveu.

Por sua vez, o diretor de futebol do Corinthians, Roberto de Andrade, afirmou que foi ao vestiário do Inter, onde os jogadores conversaram. A versão de Rafael Ramos, de acordo com o dirigente, é de que houve um mal-entendido.

“Nós acompanhamos o Rafael até o vestiário do Inter. Ele conversou com o Edenílson, explicou que ele deve ter entendido errado. Ele disse outra coisa. Tem um palavrão no meio, ele disse: ‘mano, car…’. Não vamos julgar ninguém”, declarou.

A conversa entre os jogadores também foi confirmada por dirigentes do Inter. E Emílio Papaléo Zin, vice-presidente de futebol do time gaúcho, garantiu que dará todo o suporte ao jogador do seu clube.

“O atleta foi até o vestiário do Inter, eles conversaram. Mas nós acreditamos, independente das declarações do outro lado. Nos solidarizamos ao atleta e estamos apoiando o Edenilson em qualquer das atitudes que venha tomar”, comentou.

De acordo com Alessandro Barcellos, presidente do Inter, a conversa sem um pedido de desculpas pela injúria motivou o jogador do clube a prestar denúncia contra o lateral português. “O Edenilson quis ouvir do atleta um pedido de desculpas. Ele pediu por alguma possível ofensa, mas não pela injúria racial. Então, ele optou por fazer a denúncia”, explicou.

Pelas redes sociais, Edenílson afirmando saber o que realmente ouviu, e que não reagiu provavelmente da maneira que deveria, pois essa foi a primeira vez que passa por um episódio de racismo.

“Ser xingado pelo tom da minha pele, minha reação foi a de não paralisar a partida, pois o jogo estava bom e ao mesmo tempo eu não queria que tomasse a proporção que tomou justamente por nunca ter passado por isso”, continua o jogador.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*