Carregando...

Como o Catar pretende resolver o quebra-cabeça da hospedagem na Copa do Mundo

Apesar de tantos avanços desde que foi escolhida como a principal sede do próximo Mundial, Doha ainda tenta resolver problemas complicados até o início da competição. Um dos mais complexos será onde acomodar uma multidão estimada em 1,5 milhão de pessoas (pouco mais da metade da população do país), estimada para desembarcar no Catar durante os 28 dias da Copa do Mundo de 2022 - e ao mesmo tempo não deixar elefantes brancos de lembrança.

Como os organizadores pretendem fazer isso? Para começar, restringindo, sem dó, a entrada de estrangeiros no Catar, durante o período do Mundial de 2022. No período da Copa do Mundo, quem não estiver credenciado e não tiver ingresso e um lugar reservado para dormir, não poderá entrar no país. Para complicar, entre novembro e 23 de dezembro, um decreto do governo do país proibiu que todos os hotéis do país aceitassem reservas individuais dos hóspedes, o que causou chiadeira, por parte de quem as tinha, já que os preços das acomodações subiu.

  • Jogador sai de campo algemado em partida da Série D
  • Avião de Neymar faz pouso de emergência em Roraima
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Agora, mesmo dirigentes e jornalistas credenciados e portadores de bilhetes (adquiridos em uma das fases de sorteios promovidos pela Fifa), deverão visitar a Agência de Acomodação do Qatar para encontrar um lugar para ficar. Também precisão entrar na plataforma digital Hayya e registrar seus dados pessoais, comprovar que possuem ingressos ou credencial e lugar para pernoitarem, durante o período solicitado. "As únicas pessoas autorizadas a entrar no Catar, durante o período da Copa do Mundo serão os portadores do cartão Hayya, diz Saeed Al Kuwari, diretor-executivo da plataforma."

Ou seja, mesmo com ingresso para os jogos ou com uma credencial, quem não tem reserva para pernoitar, não entrará no Catar. Pode ser em um hotel, em um apartamento, ou em uma das 3.898 cabines em um dos dois navios de cruzeiro que estarão ancorados no porto da cidade, durante o evento (foram alugados da MSC Cruises). Ou, ainda, em uma das cerca de mil tendas e cabines pré-fabricadas, que serão instalados em campings nas imediações da capital do país.

"A plataforma oficial de acomodação para a Copa do Mundo do Catar dará várias opções aos torcedores, que quiserem ficar aqui durante os jogos: hotéis, apartamentos e casas, dois navios de cruzeiro gigantes, padrão 5 estrelas, ancorados no porto de Doha,também, acampamentos". Serão estruturas com camas e água, eletricidade e sistemas de drenagem", disse ao Estadão, Omar al-Jaber, Diretor Executivo do Departamento de Acomodação do Comitê Supremo de Entrega & Legado do governo do Catar.

Como no final do ano, não faz tanto calor, não haverá ar-condicionado. Quatro destes acampamentos serão construídos na Ilha de Al Qetaifan, em Lusail, em uma área próxima ao maior shopping da cidade, o Mall of Qatar, do campus da Universidade do Catar, e da estação de metrô Al-Riffa, em uma das pontas da linha Verde do Metrô. O estádio Ahmed bin Ali, fica logo ao lado deste acampamento, e duas arenas nas quais o Brasil jogará seus três jogos na fase de grupos, Lusail, contra Sérvia e Camarões, e 974, contra a Suíça, ficam a poucos minutos dali pelo Metrô. "Os torcedores que decidirem ficar no Catar, durante o Mundial, não precisarão fazer mais do que uma reserva para a sua hospedagem", diz Al-Jaber. Mas, ele recomenda aos interessados em seguirem os jogos da Coa do Mundo, que comprem seus ingressos, façam suas reservas para acomodação e o registro para terem seu cartão Hayya, o mais rápido possível.

Outra alternativa será compartilhar com países vizinhos a tarefa de alojar milhares de pessoas. Com o aumento de capacidade de passageiros com a modernização do Aeroporto de Hamad - e a operação contínua das suas três pistas - e a volta do antigo Aeroporto Internacional de Doha, companhias aérea da região, como a local Qatar Airways, a Emirates e a Fly Dubai, de Dubai, a Etihad, de Abu Dhabi, a Oman Air, de Omã, a Kuwait Airways, do Kuwait, e a Saudia, da Arábia Saudita, e a Jordanian, da Jordânia, estabelecerão rotas no sistema de ponte-aérea. Para as tarifas, consulte os sites das companhias aéreas.

Os voos deverão chegar a Doha, cerca de 5 horas antes do pontapé inicial da partida escolhida. Segundo disse Al Baker, "permitiria que mesmo em um único dia, os fãs curtissem o clima da Copa do Mundo no Catar, sem contratempos". A partir dos aeroportos, os visitantes poderiam passear pelos pontos turísticos de Doha, como, o Souq Waqif, o mais tradicional mercado da cidade, curtir a atmosfera das Fan-Zones (onde haverá música e cerveja disponível) ou ir direto para as imediações dos estádios.

A meta será criar uma rede de cerca de 160 voos que tragam e levem de volta, no mesmo dia, cerca de 200 mil passageiros hospedados em cidades de países vizinhos, como Dubai e Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, Mascate, em Omã, Riad e Jedá, na Arábia Saudita, Amã, na Jordânia, e até Tel Aviv, em Israel. "A Copa de 2022 será uma boa oportunidade para os fãs de futebol descobrirem uma parte do mundo que eles não conhecem", diz o suíço Gianni Infantino. Para não criar longas filas nos guichês da Imigração, sistemas de última geração serão introduzidos nos postos de controle, seja os com agentes ou os automáticos ", diz Akbar Al Bakber, o CEO da Qatar Airways.

Para aumentar a capacidade de leitos para a Copa de 2022, o Catar também firmou uma parceria com o Irã para criar uma rede de hotéis e campings, nas ilhas de Qeshm e Kish, pertencentes ao país vizinho, que ficam a cerca de 40 minutos de voo ou 6 horas de navio de Doha. Só na ilha de Kish, seriam mais 4 mil leitos disponíveis. Para os deslocamentos acontecerem sem transtornos, iranianos e catarianos praticamente triplicarão o número de voos entre os dois países: passariam de 72 para 200 por dia. O aeroporto Para fazer a rota pelo mar, um navio de passageiros com capacidade pra 1.700 pessoas foi comprado da França. "O Irã está pronto para ajudar o Catar na organização da Copa de 2022, como puder ", diz o iraniano Rostam Ghassemi Soltanifar, ministro dos Transportes do país. Uma das medidas para facilitar a entrada de estrangeiros é que o Irã não exigirá vistos de estrangeiros que pernoite nas ilhas de Qeshm e Kish, entre novembro e dezembro.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*