Carregando...

Bagnaia segura Bastianini por só 0s03 em Misano e vence 4ª seguida. Quartararo é 5º

Francesco Bagnaia venceu em Misano
Francesco Bagnaia venceu em Misano
Foto: Divulgação/MotoGP / Grande Prêmio

MARTÍN FOI RIVAL FORTE, MAS BASTIANINI É ESCOLHA CERTA PARA DUCATI NA MOTOGP

Numa prova caótica em Misano, se deu melhor quem aproveitou as oportunidades — e muitos pilotos ficaram atentos a isso. Após a queda do pole-position Jack Miller, Francesco Bagnaia herdou a ponta e de lá não saiu. Ainda que tenha sido pressionado por Enea Bastianini e Maverick Viñales, o #63 foi cerebral para segurar sua pouca vantagem e triunfar no GP de San Marino. É sua sexta vitória no ano, que o leva à vice-liderança do campeonato.

  • Quartararo admite torcida para que retorno de Marc Márquez "destrua planos da Ducati"
  • Öncü voa no limite e garante pole da Moto3 em Misano. Moreira brilha e é 3º
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Correndo com uma pintura em homenagem a Fausto Gresini, 'The Bestia' tentou até a última volta, mas se contentou com a segunda posição do pódio, à frente de Maverick Viñales, que teve ritmo muito positivo. Luca Marini e o líder da MotoGP 2022, Fabio Quartararo, completam o top-5.

Francesco Bagnaia conquistou sua sexta vitória no ano (Foto: Divulgação/MotoGP)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Aleix Espargaró até subiu algumas posições e terminou em sexto lugar. Álex Rins, Brad Binder, Jorge Martín e Miguel Oliveira foram os pilotos que fecharam as dez primeiras posições.

A MotoGP volta às pistas no próximo dia 18 de setembro para o GP de Aragão, no MotorLand. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

Saiba como foi o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP:

Ao menos até o momento em que os pilotos deixaram os boxes para alinhar no grid, a previsão de chuva esteve longe de se concretizar. Com o céu bastante azul e com algumas poucas nuvens espalhadas, a temperatura estava em 27°C, com o asfalto chegando a 43°C. A umidade relativa do ar era de 65%, com a velocidade do vento atingindo 13 km/h.

Na saída dos boxes, quase todos os pilotos tinham calçado o pneu dianteiro duro, com exceção de Kazuki Watanabe, substituto de Joan Mir. O estreante optou pelo médio. Na traseira, a maioria escolheu os médios, exceto as Gresini de Enea Bastianini e Fabio Di Giannantonio, Álex Rins e Franco Morbidelli, que foram de macios.

Neste domingo, as motos da VR46 e a Gresini estavam de roupa nova. No caso do time de Valentino Rossi, um grafismo assinado por Mad Dog Jones, um artista digital que se inspirou no design 'Peace and Love' usado pelo multicampeão no passado. A equipe chefiada por Nadia Padovani, por outro lado, faz uma homenagem a Fausto Gresini, usando um layout igual aquele com que o fundador da equipe conquistou os títulos das 125cc em 1985 e 1987. Fausto morreu no início de 2021, vítima da Covid-19.

Antes da largada, os quatro pilotos que tinham apostado diferente dos demais com os pneus traseiros mudaram de ideia. Assim, Morbidelli, Rins, Bastianini e Di Giannantonio calçaram traseiros médios como os demais.

No instante da largada, os 56.981 espectadores presentes em Misano viram o pole-position Jack Miller sustentar a liderança, diante de Enea Bastianini e Francesco Bagnaia. Fabio Quartararo, porém, não saiu bem e caiu para oitavo, diferente de Aleix Espargaró, que avançou para sexto.

Ainda na primeira curva, Pol Espargaró, Johann Zarco e Michele Pirro se envolveram em um acidente e caíram. Os três abandonaram, mas a corrida não foi interrompida.

Na abertura da volta 2, Miller caiu na curva 4, entregando a liderança nas mãos de Bastianini, que já tinha cerca de 0s5 de margem para Bagnaia. Pouco depois, Bezzecchi caiu na 10, mas conseguiu voltar para a corrida.

Pouco depois, Enea perdeu a frente n curva 10, mas evitou a queda. Ainda assim, o italiano perdeu a vantagem que tinha e viu Pecco colar atrás. Pouco depois, Bagnaia tomou a ponta com um mergulho por dentro na Quercia, a curva 8. Viñales era o terceiro.

Na mesma volta 3, Maverick tomou a terceira colocação de Enea, com uma manobra por dentro na Carro, a curva 14. Quarto, Luca Marini vinha pertinho, seguido por Aleix, Quartararo, Jorge Martín, Rins, Álex Márquez e Miguel Oliveira.

Buscando a primeira vitória com a Aprilia, Viñales vinha forçando o ritmo, tentando colar em Bagnaia. O italiano, porém, ia na mesma receita das últimas três corridas: sólido e seguro para tentar garantir o topo do pódio.

Bastianini, por outro lado, tinha a pressão de Marini, que tentava em casa buscar o primeiro pódio na MotoGP. Aleix era pressionado por Quartararo, num pelotão que também tinha Martín e Rins.

No fim da volta seis, Aleix errou e abriu caminho para a passagem de Quartararo, que tomou a quinta colocação, já 0s802 atrás de Marini. O francês logo abriu 0s5 de margem em relação a piloto da Aprilia e passou a cortar a margem de Marini.

Na ponta, Viñales seguia empenhado em pressionar Bagnaia. Na volta 8, o 'Top Gun' fez uma primeira tentativa, mas o titular da Ducati sustentou a liderança. Bastianini e Marini iam mantendo contato.

Viñales até chegou a fazer mais uma tentativa de ataque n volta 10, mas Pecco segurou e as coisas seguiram estáveis nos giros seguintes. O quarteto da ponta ia pegado, mas sem que Quartararo conseguisse se aproximar do pelotão. Aleix, porém, vinha mais e mais isolado em relação ao francês.

Faltando 12 giros para a bandeirada, Pecco e Maverick trocaram voltas rápidas, tentando subir o ritmo da corrida. Isso afastou um pouco Bastianini, que ficou a 0s6 de Viñales. Enea, aliás, deu uma errada na Tramonto, o que permitiu a passagem de Marini. O piloto da Gresini, todavia, foi rápido no troco e voltou ao pódio de imediato.

O trio da ponta manteve um ritmo elevadíssimo, que se mostrou forte demais para Marini. Com nove voltas para o fim, o piloto da VR46 ficou a mais de 1s1 de Bastianini.

Pouco depois, no fim da volta 19, Bastianini foi por dentro na primeira curva e passou Viñales para tomar o segundo lugar. Pecco tinha se afastado cerca de 0s6, mas ainda restava tempo de corrida para tentar buscar.

Com seis voltas para o fim, a diferença já tinha caído para 0s209. Na Ducati, as ordens de equipe não tinham sido aplicadas e os pilotos estavam livres para o confronto. O único pedido era para ter cautela em disputas que envolvessem Bagnaia, já que ele é o ponta de lança da marca na briga pelo título.

Uma vez superado por Bestia, Viñales não teve fôlego para acompanhar e logo abriu uma larga margem. Com cinco giros para o fim, a diferença já era de 1s5.

Na abertura da volta 26, Bastianini grudou em Bagnaia, mas não achou espaço para tentar uma manobra. O piloto da Gresini seguiu pegado, buscando uma brecha na armadura de Pecco. Na volta final, Enea armou um bote na curva 4, mas errou e alargou a trajetória para não acertar o adversário, abrindo 0s4 de margem. Rapidamente, o italiano se recompôs, mas recebeu a bandeirada 0s034 atrás.

MOTOGP PRECISA DE CORRIDA SPRINT OU É BARCO FURADO?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar