Carregando...

López domina GP de San Marino e vence 1ª na Moto2. Fernández é 3º e retoma liderança

Primeira vitória no ano e na carreira de López
Primeira vitória no ano e na carreira de López
Foto: Speed Up / Grande Prêmio

MARTÍN FOI RIVAL FORTE, MAS BASTIANINI É ESCOLHA CERTA PARA DUCATI NA MOTOGP

Alonso López só precisou atacar Celestino Vietti na largada para conquistar, no GP de San Marino e Riviera de Rimini, sua primeira vitória na temporada e na carreira. O piloto da Speed Up, após ultrapassar o #13, teve apenas de se preocupar em não errar para triunfar de forma tranquila, sem ameaças, neste domingo (4), em Misano.

  • Quartararo admite torcida para que retorno de Marc Márquez "destrua planos da Ducati"
  • Öncü voa no limite e garante pole da Moto3 em Misano. Moreira brilha e é 3º
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Arón Canet galgou algumas posições para terminar no segundo lugar do pódio, a 1s253 de López. Augusto Fernández fecha o top-3 depois de boa disputa com Albert Arenas e também retoma a liderança do campeonato. O piloto da Apar ficou em quarto lugar, à frente de Ai Ogura.

Alonso López venceu em Misano (Foto: Speed Up)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Tony Arbolino apareceu na sexta colocação. Completam o top-10: Pedro Acosta, Somkiat Chantra, Joe Roberts e Jeremy Alcoba.

A Moto2 volta às pistas no próximo dia 18 de setembro para o GP de Aragão, no MotorLand. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

Saiba como foi o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de Moto2:

Em um domingo de céu parcialmente nublado, a Moto2 entrou na pista com os termômetros marcando 28°C e o asfalto chegando a 39°C. A umidade relativa do ar estava na casa dos 59%, com o vento soprando a 8 km/h.

Para este GP de San Marino e da Riviera de Rimini, a escolha de pneus foi quase uniforme. Todos os pilotos calçaram o dianteiro 3, a opção mais dura disponibilizada pela Dunlop. Na traseira, a maioria ficou com o Val7, o mais resistenta, exceto Tony Arbolino, Ai Ogura, Manu González e Zonta van der Goorbergh, que apostaram pelo 0, o macio.

Quando a largada foi dada em Misano, o pole-position Celestino Vietti até saiu bem, mas foi superado por Alonso López na curva 1 e engolido por Albert Arenas na 2. A 2, aliás, marcou o adeus de Jake Dixon da corrida, já que o britânico caiu ainda nos primeiros metros.

Vietti chegou a perder também o terceiro lugar, mas logo se recompôs, se instalando diante de Arón Canet, Ai Ogura, Fermín Aldeguer e Augusto Fernández.

Na liderança, López abriu 0s5 de margem logo de cara. Companheiro de Speed Up, Aldeguer escapou da pista e caiu para sétimo, mas logo reagiu e passou Fernández para subir uma posição.

Na volta 4, a vantagem de López na liderança começou a cair rapidamente. Depois de beirar os 0s6, a diferença em relação a Arenas chegou a 0s2, com o piloto da Aspar subindo a pressão pela liderança e trazendo junto Vietti, Canet e Ogura. Fernández também aumentou o ritmo para colar no pelotão e seguir vivo na briga.

Na volta 7, pouco depois de a direção de prova anunciar uma punição da volta longa por corta caminho, Aldeguer caiu na curva 1, mas escapou de lesões. Fermín logo levantou e correu para a moto, mas abandonou pouco depois.

Instantes depois, aliás, Lorenzo Dalla Porta caiu na 15 e também abandonou. O italiano também escapou de lesões maiores. Senna Agius, que tinha se envolvido em um incidente mais cedo com Filip Salac, abandonou a corrida na sequência.

Enquanto isso, López desgarrou do pelotão, abrindo 0s9 de margem para Arenas. Vietti, porém, ia junto com o piloto da Aspar, mas, sem conseguiu passar, acabou superado por Canet, que avançou para terceiro. Ogura era o quinto, Dante de Fernández.

Com 16 voltas para o fim, mais um golpe nas pretensões de título de Celestino Vietti: o italiano caiu na curva 4 e abandonou a briga pelo pódio. O piloto da VR46 até voltou para a corrida, mas apenas na 22ª colocação.

A queda de Celestino Vietti: mais um golpe no sonho de título (Foto: Reprodução/MotoGP)

Wild-card neste GP de San Marino, Mattia Pasini vinha crescendo na corrida, mas, com 13 voltas para o fim, o italiano caiu na curva 4 e abandonou.

No giro seguinte, Canet conseguiu passar Arenas para tomar a segunda posição, mas já com 1s587 de atraso para López, o líder da disputa.

Com sete voltas para o fim, Vietti recolheu para os boxes e deu o GP de San Marino por encerrado depois da queda de mais cedo.

Enquanto isso, Canet até reduziu um pouco da margem de López na ponta, mas o piloto da Speed Up respondeu subindo o ritmo e voltando a engordar a margem na liderança da corrida.

Fernández, por outro lado, não só cortou a diferença como conseguiu passar e tomar a terceira posição de Arenas, com uma manobra por dentro na curva 6. O piloto da Aspar, contudo, deu o troco e ficou com a posição.

Com três voltas para o fim, Fernández passou de novo e voltou ao pódio. Enquanto isso, Canet tinha cortado para 1s3 a margem de López na ponta. Quinto, Ogura vinha mais de 4s atrás de Arenas.

MOTOGP PRECISA DE CORRIDA SPRINT OU É BARCO FURADO?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar