Carregando...

Estudantes criam minissatélites para monitorar incêndios, mapear territórios indígenas e fornecer internet para povos quilombolas

Minissatélites criados por estudantes em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

Minissatélites criados por estudantes em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

Pensando no futuro, através da tecnologia, estudantes do Serviço Social da Indústria (Sesi) de Campinas, em Goiânia, criaram minissatélites. São cinco equipes que vão monitorar incêndios florestais e urbanos, mapear territórios indígenas, fornecer internet aos povos quilombolas e monitorar o plantio de lavouras (veja detalhes abaixo).

  • Compartilhe no WhatsApp
  • Compartilhe no Telegram

Ao equipes do colégio trabalham com orientação do professor Leandro Hall e direção de Michelle Bellei. Leandro explicou que o colégio ganhou os minissatélites (de forma bruta), chamados de CanSat e CubeSat, após bons resultados na primeira fase da I Olimpíada Brasileira de Satélites (Obsat), organizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

“Para a ciência goiana é um grande avanço, alunos de ensino fundamental e médio programando satélites e pensando até no âmbito social. São alunos que estão em processo de educação básica e já estão envolvidos com tecnologia e ciência. Esses alunos serão profissionais graciosos, outras partes são desenvolvidas, não só a técnica e intelectual”, falou Leandro.

LEIA TAMBÉM:

  • Estudante goiana participa de programa feito em parceria com a Nasa e encontra asteroide
  • Estudantes de Aparecida de Goiânia conquistam 2º lugar em campeonato mundial de robótica

Alunos criam minissatélites em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

Alunos criam minissatélites em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

A primeira etapa da Obsat aconteceu em 2021 e, do Sesi, as equipes conquistaram 1º, 2º, 3° e 5° na categoria de ensino fundamental, segundo Leandro. Na segunda etapa, os estudantes adaptaram os minissatélites, adicionaram câmeras e proteção térmica, além de realizarem testes em solo goiano.

Nessa etapa, os minissatélites ganharam sensores de temperatura, luminosidade, gás carbônico, pressão, giroscópio, magnetômetro e acelerômetro.

Ansiosos para a terceira e penúltima etapa da olimpíada, que acontece no dia 17 de setembro, no evento, os estudantes vão linkar os satélites à balões estratosféricos de teste que serão lançados à estratosfera, em Goiânia. A previsão é que a final da Obsat aconteça até novembro.

Alunos criam minissatélites em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

Alunos criam minissatélites em Goiânia — Foto: Divulgação/Sesi Goiânia

Equipes e detalhes dos projetos

Projeto Fighting Fires

Equipe: Spice Girls
Integrantes: Brenda Luís e Jacklline Silva
Objetivo: Segundo o coordenador, o projeto surgiu com a proposta de identificar incêndios florestais. Idealizado em meio aos incêndios na Chapada dos Veadeiros no ano passado, os minissatélites monitoram focos de calor com os sensores e com as câmeras e encaminham para o Corpo de Bombeiros.

Projeto Firelink

Equipe: Dynamic Space
Integrantes: Gustavo Herculano e João Pedro Pereira
Objetivo: O projeto foi desenvolvido para mapear incêndios urbanos. Pensado na região de Campinas, o coordenador explicou que um sensor identifica possíveis focos de incêndio por meio da mudança de temperatura e envia o sinal para o Corpo de Bombeiros, que identifica se é, ou não, um incêndio.

Projeto Quilombolas on-line


Equipe: Robotic Engineers
Integrantes: Karolaynne Mazzei e Luíza Mercadante
Objetivo: Levar internet aos povos quilombolas. De acordo com o coordenador, o minissatélite vai mapear as regiões que mais precisam de internet e emitir sinal de wi-fi.

Projeto CanAgro

Equipe: Engineers Of Star
Integrantes: Sinval Júnior e João Carlos Barbosa
Objetivo: O coordenador explicou que o projeto tem como objetivo monitorar as fases do plantio de soja e as possíveis pragas que possam surgir na lavoura durante o processo de amadurecimento do grão.

Projeto Miss Fortune

Equipe: Star Guardians
Integrantes: José Fernandes, Mariana Cazimiro e Ana Clara Gonzales.
Objetivo: Segundo Leandro, o Miss Fortune vai monitorar os territórios indígenas, para evitar a invasão de garimpeiros e madeireiros na região Centro-Oeste.

Veja outras notícias da região no g1 Goiás.

VÍDEOS: últimas notícias de Goiás

50 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar