Carregando...

Pfizer acusa ex-funcionária de roubar documentos confidenciais sobre vacinas

A Pfizer processou uma funcionária de longa data por supostamente ter roubado “pontos” de documentos confidenciais, incluindo alguns relacionados à vacina da Covid-19, enquanto ela se preparava para trabalhar em uma concorrente.

Em uma queixa apresentada na terça-feira (23) no tribunal federal de San Diego, a Pfizer disse que Chun Xiao Li violou seu acordo de confidencialidade ao baixar mais de 12 mil arquivos sem permissão de seu computador corporativo para suas contas e dispositivos pessoais.

Os supostos materiais incluem um “livro de regras” de 24 de setembro contendo avaliações internas e recomendações sobre a vacina Pfizer/BioNTech, a relação da Pfizer com seu parceiro de vacinas alemão, e apresentações relacionadas aos anticorpos contra o câncer.

Pfizer disse que Li, uma diretora associada de estatísticas, tentou repetidamente cobrir seus rastros, fornecendo até mesmo um outro computador reserva para despistar do download dos arquivos.

Li “enganou a Pfizer sobre o que ela tomou, como ela tomou, quando e porque ela o fez, e onde esses arquivos (e possivelmente outros) podem ser encontrados”, disse a empresa.

A Pfizer disse que Li está se demitindo após 15 anos na empresa, e parece ter uma oferta para se juntar à Xencor Inc, uma empresa de estágio clínico da Califórnia focada em tratamentos para câncer e doenças autoimunes, em 29 de novembro.

Li não pode ser imediatamente contatada para comentários através de sua conta no LinkedIn. A Xencor não é uma ré no processo, e se recusou a comentar.

A Pfizer disse que os concorrentes têm tentado recrutar seus funcionários “incansavelmente, especialmente durante 2021”.

Em uma ordem atrasada na terça-feira, a juíza distrital americana Cathy Ann Bencivengo bloqueou temporariamente Li de usar os segredos comerciais da Pfizer, e disse que os advogados da empresa podem rever contas e dispositivos onde ela poderia tê-los armazenado.

O juiz agendou uma audiência de 9 de dezembro para considerar uma medida cautelar mais longa.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*