Carregando...

Rússia não tem envolvimento em ataques da "Síndrome de Havana", diz Kremlin

O Kremlin disse, nesta quinta-feira (25), que a Rússia nada tinha a ver com a chamada “Síndrome de Havana“, uma doença misteriosa que afetou cerca de 200 diplomatas americanos, funcionários e familiares no exterior.

Ele estava respondendo a uma reportagem do The Washington Post publicada no dia anterior, que dizia que o diretor da CIA William Burns havia dito aos líderes das agências de espionagem da Rússia durante uma recente visita a Moscou que seria absolutamente inaceitável que as agências de inteligência estrangeiras causassem lesões cerebrais e outras doenças a funcionários e familiares dos EUA.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a questão não foi discutida em reuniões políticas durante a viagem do diretor da CIA ou com o presidente Vladimir Putin.

Ele disse que não poderia comentar sobre conversas privadas mantidas com os serviços de segurança da Rússia.

“Aqui, só podemos negar firmemente qualquer pista, sugestão ou declaração sobre o suposto envolvimento do lado russo nesses casos”, disse Peskov. “Não temos nada a ver com isso.”


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*