Carregando...

Naufrágio de cruzador russo deixou 37 mortos, diz portal russo - Notícias - R7 Internacional

O naufrágio do principal navio da Rússia no mar Negro, o cruzador Moskva, deixou 37 mortos, segundo o portal independente russo Meduza, que cita fontes anônimas.

A bordo do navio, que segundo fontes militares afundou após ser atingido por dois mísseis Neptune, viajavam cerca de 500 pessoas, das quais aproximadamente cem ficaram feridas. O número de desaparecidos ainda é desconhecido.

O portal Meduza, que foi declarado "agente estrangeiro" e bloqueado pelo governo russo em março, mas continua operando da Letônia, cita como fonte dessas informações "uma pessoa no comando" da Marinha no mar Negro.

O afundamento do Moskva ocorreu na semana passada e foi confirmado pelo Ministério da Defesa russo, embora até agora não tenha especificado as circunstâncias. Horas antes, Kiev relatou várias explosões no navio, causadas pelo impacto dos mísseis ucranianos.

O navio tentou ser rebocado para um porto seguro, enquanto o comando russo assegurou que a tripulação tinha sido evacuada. Moscou finalmente confirmou o afundamento, o qual atribuiu às "circunstâncias" decorrentes de uma tempestade.

O jornal alemão "Frankfurter Allgemeine Zeitung" afirma na edição desta terça-feira (19), com base em fontes russas em anonimato, que havia recrutas a bordo do Moskva, ao contrário das versões oficiais do Kremlin.

As fontes também negam que toda a tripulação do Moskva tenha sido resgatada.

"É uma mentira, uma mentira vulgar e cínica", escreveu Dimitri Schkrebes na rede social russa VKontakte sobre a versão oficial do Kremlin.

Segundo o jornal, o filho mais velho de Schkrebes, Jegor, foi recrutado no final do ano passado, em Yalta, para cumprir o serviço militar a bordo do Moskva, onde serviu como cozinheiro.

O jornal indica que alguns jornalistas se referiram a um artigo em uma publicação da Marinha russa de dezembro passado, no qual aparece uma foto de Jegor Schkrebes, que é identificado como cozinheiro.

Dimitri Schkrebes afirma que o seu filho faz parte de uma lista de membros desaparecidos da tripulação do Moskva.

O jornal russo Novaya Gazeta, que suspendeu a publicação na Rússia e tem agora uma edição online europeia, publicou no fim de semana passado o relato de uma mulher cujo filho também serviu a bordo do Moskva, segundo ela.

A mulher, que não se quis identificar por medo de represálias, diz que o filho sobreviveu, telefonou da Ucrânia na sexta-feira passada e disse a ela que cerca de 40 pessoas tinham morrido, muitas ficaram feridas e outras estavam desaparecidas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*