Carregando...

De olho na China, chefe da Marinha dos EUA quer sucatear navios de guerra obsoletos

O chefe da Marinha dos Estados Unidos defendeu os planos do serviço de sucatear nove navios de guerra relativamente novos no próximo ano fiscal, mesmo enquanto o serviço tenta acompanhar a crescente frota da China. Três dos navios de combate litorâneos programados para serem retirados da frota têm menos de três anos.

O chefe de operações navais, almirante Michael Gilday, disse ao Comitê de Serviços Armados da Câmara na quarta-feira (11) que os navios antissubmarinos não poderiam realizar sua missão principal.

“Eu me recuso a colocar um dólar adicional contra um sistema que não seria capaz de rastrear um submarino de ponta no ambiente de hoje”, disse Gilday ao comitê.

Ele disse que a principal razão para a aposentadoria antecipada foi que o sistema de guerra antissubmarino nos navios “não funcionou tecnicamente”. O descomissionamento dos navios economizaria aproximadamente US$ 391 milhões para a Marinha, de acordo com o orçamento proposto para o ano fiscal de 2023.

Mas isso recupera apenas uma fração do custo dos nove navios de combate litorâneos, que totalizaram cerca de US$ 3,2 bilhões.

O USS Indianapolis, o USS Billings e o USS Wichita foram todos comissionados em 2019, o que significa que a Marinha planeja aposentar navios que estão apenas uma fração do caminho para sua vida útil esperada.

A Marinha também planeja aposentar seis outros navios de combate litorâneos, todos da variante Freedom de casco simples, em oposição à variante Trimaran Independence. Ambas as variantes podem atingir velocidades de mais de 40 nós.

Sob um plano da Marinha de 2016, as variantes da classe Freedom foram todas homeportadas em Mayport, Flórida, principalmente para uso em operações no Oceano Atlântico. As variantes da classe Independence foram homeportadas em San Diego e designadas principalmente para operações no Pacífico.

A decisão equivale a uma admissão embaraçosa de que alguns dos mais novos navios da Marinha não são adequados para a guerra moderna.

Apesar dos planos da Marinha de desmantelar os navios de guerra, o Congresso tem a palavra final sobre o orçamento militar e recusou pedidos anteriores de desmantelamento de navios.

Reduzir o número de navios de guerra pode ser ainda mais difícil, já que os legisladores se concentram no tamanho crescente da marinha chinesa e na lacuna entre as frotas americana e chinesa.

Em agosto passado, a vice-presidente Kamala Harris visitou o USS Tulsa, um dos navios da classe Independence, enquanto operava a partir de Singapura. Ela elogiou a missão da Marinha de “ajudar a garantir a paz e a segurança, a liberdade de comércio e a liberdade de navegação” e o papel que o navio desempenha no combate a uma China cada vez mais assertiva no oeste do Oceano Pacífico.

Mas os navios de combate litorâneos em apuros enfrentaram problemas perenes, incluindo repetidas avarias e perguntas sobre seu armamento limitado.

Os navios foram saudados como parte da dissuasão dos Estados Unidos contra a China, pois foram projetados para operar em águas rasas como o Mar da China Meridional. Mas a aposentadoria de tantos em um ano parece ser um reconhecimento de que os caros combatentes de superfície não corresponderam às expectativas.

De olho na China, chefe da Marinha dos EUA quer sucatear navios de guerra obsoletos
O destróier de mísseis guiados, USS Benfold, conduziu operações no Mar da China / Mass Communication Specialist 2nd Class Arthur Rosen/US Navy

‘Não podemos usá-los’

O deputado Adam Smith, presidente do Comitê de Serviços Armados da Câmara, disse: “Não podemos usá-los, número um, porque eles não estão prontos para fazer nada. Número dois, quando estão, ainda quebram.”

“Eles são incrivelmente caros e não têm as capacidades que esperávamos. Portanto, independentemente da idade, é muito dinheiro a ser gasto para chegar perto de nada”, continuou o democrata do estado de Washington.

O senador republicano de Oklahoma, Jim Inhofe, membro do Comitê de Serviços Armados do Senado, juntou-se às críticas à Marinha.

“Com a Marinha chinesa subindo para 460 navios até 2030, os erros não forçados na construção naval da Marinha, como o Littoral Combat Ship, devem parar. Programas que possam melhorar e aumentar nossa frota devem ser a prioridade”, twittou Inhofe na quarta-feira.

Muitos dos inúmeros problemas enfrentados pelo programa de navios de combate litorâneos decorrem da falta de foco da missão durante o processo de projeto, disse Emma Salisbury, pesquisadora da Universidade de Londres com foco nos fabricantes de armas militares dos EUA.

“O LCS foi essencialmente contado para resolver todos os problemas da Marinha de uma só vez e tudo será maravilhoso”, disse Salisbury à CNN com uma pitada de ironia. As missões para os navios incluíam guerra de superfície, contramedidas de minas e guerra antissubmarina, com base em um design modular que deveria permitir que a Marinha personalizasse o navio para o papel.

“Foi basicamente esse design mágico que resolveria tudo”, disse Salisbury. “Então esse era o problema – porque tinha todas essas opções, nunca fez nenhuma delas muito bem.”

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, defendeu o programa e os navios em uma coletiva de imprensa em meados de abril, dizendo que “eles serviram a um propósito.”

No entanto, mesmo com os planos da Marinha de demolir nove dos navios da variante Freedom, o mais novo navio da classe foi batizado no fim de semana passado. O USS Beloit foi inaugurado com membros do Congresso e oficiais da Marinha presentes, bem como a quebra cerimonial de uma garrafa de vinho na proa.

O secretário da Marinha, Carlos Del Toro, disse em comunicado que o navio “estará pronto para responder a qualquer missão, onde e quando houver necessidade”.

A variante Independência do LCS enfrentou seus próprios problemas. A Marinha identificou rachaduras estruturais em seis desses navios, exigindo atualizações nos procedimentos de inspeção e um redesenho das áreas afetadas, de acordo com um comunicado de Alan Baribreau, porta-voz do Naval Sea Systems Command.

As rachaduras, relatadas pela primeira vez pelo Navy Times, foram inicialmente descobertas no final de 2019 em áreas de alto estresse na estrutura do navio.

“O problema foi identificado após verificações de garantia de qualidade de rotina e não representa um risco para a segurança dos marinheiros a bordo dos navios. Da mesma forma, o problema não representa nenhum risco de segurança para os navios afetados nem impede a capacidade de iniciar e executar missões “, disse Baribeau.

A Marinha planeja aposentar dois desses navios da classe Independence no ano fiscal de 2024.

Ao mesmo tempo, a Marinha está trabalhando no desenvolvimento de uma nova classe de navios mais adequados aos desafios das forças armadas em rápida expansão da China e à ameaça que a Rússia representa. Esses navios teriam “mais capacidade do que o LCS” para as lutas potenciais do futuro, disse Kirby.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*