Carregando...

Ucranianos que permanecem em áreas destruídas falam sobre a nova realidade

Desde a última vez que a equipe da CNN esteve em solo no sul da Ucrânia, há seis semanas, nada mudou e, no entanto, tudo mudou.

As áreas fortemente atacadas estão em um impasse com os avanços russos enquanto tentam se mover em direção a Mykolaiv, uma cidade portuária estratégica.

Os bombardeios constantes destruíram grande parte da área, prendendo muitos que não podem fugir e deixando outros sozinhos.

A aldeia de Shevchenkove foi detida pela Rússia em março, mas os militares ucranianos a retomaram.

No domingo (8), a CNN visitou e testemunhou o que resta dela – prédios danificados em todas as estradas e casas vazias. Tanta coisa foi abandonada, mas os sons de fogos de artilharia indo e voltando continuam.

Mais de 50% desta aldeia está destruída, disse a escolta militar à CNN.

O bombardeio começa a se aproximar, mas dois vizinhos andando por uma estrada de cascalho continuam conversando, nem um vacilo em reação aos sons das explosões.

“Eu saio todos os dias, as cabras estão esperando por mim”, Lyuba diz sobre suas cabras que nasceram quando a guerra começou. “Eles precisam que eu dê comida. E elas dão leite, é claro. Eu as chamo de minhas filhas da guerra.”

CNN fala com ucranianos em aldeias devastadas pela guerra no sul/ Natalie Gallón / CNN

Os danos dos estilhaços são visíveis fora de casa. Ela mostrou à CNN a área onde ela dorme à luz de velas. Ela e o marido tiveram sorte.

Dirigindo para outra vila próxima, o dano parece o mesmo. Em Kotlyareve, poucas pessoas andam pelas ruas, vários idosos são vistos em bicicletas.

“Na guerra eu nasci, e na guerra eu vou morrer”, disse Valentina enquanto se sentava sozinha em seu jardim à sombra de uma árvore.

Usando uma bengala para ajudá-la a andar, ela mostrou à CNN os danos em sua casa e as crateras que o bombardeio deixou para trás.

CNN fala com ucranianos em aldeias devastadas pela guerra no sul / Natalie Gallón / CNN

“Olhe para esses tormentos”, disse ela. “Esta casa foi reduzida a barro. Estou sozinha entre quatro paredes. Nada em lugar nenhum.”

Para muitos, não há outro lugar para ir. Alguns dizem que são velhos demais para deixarem a cidade. Para outros, é a sua terra natal que eles não querem abrir mão.

“Seria melhor deitar à noite e não levantar. Nem ouvir nem ver. Tenha pena de todas as pessoas, tenha pena dos soldados”, acrescentou Valentina, às vezes murmurando para si mesma.

Mas para mães como Svitlana, é a espera do filho voltar da guerra em Mariupol que a mantém aqui.

“Nossos filhos estão todos em guerra. Meu filho é um prisioneiro. Se ele voltar, e eu tiver ido, é como se eu o tivesse abandonado. Esperamos, esperamos, nos preocupamos, ele está vivo e nós viveremos”, disse ela à CNN.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*