Carregando...

E-scooters deveriam ser solução para transporte em Roma, mas se tornaram "armadilhas"

Roma foi invadida, conquistada e saqueada inúmeras vezes desde sua fundação, há quase 2.800 anos. Cada ataque deixou cicatrizes por toda a cidade, desde as ruínas do Fórum Romano até a caverna do Circus Maximus, onde antes corriam carruagens.

A degradação moderna também deixou os cidadãos irritados, fartos do que muitas vezes parece complacência naquela que é sem dúvida uma das cidades mais bonitas do mundo.

A atual invasão da capital da Itália vem de e-scooters – mais de 14.000 delas – carruagens modernas que bloqueiam calçadas, enervam motoristas e matam.

Desde que as scooters de aluguel foram introduzidas há três anos como alternativa ao transporte público durante a pandemia de Covid-19, quatro pessoas morreram enquanto as conduziam, segundo o vereador de mobilidade da prefeitura de Roma, Eugenio Patane.

As salas de emergência da cidade tratam pelo menos uma lesão grave relacionada a scooters a cada três dias, dizem as autoridades de saúde. E, no entanto, apenas 2% (cerca de 270) das scooters a pé para alugar são utilizadas diariamente.

A Prefeitura de Roma concedeu licenças a sete empresas responsáveis ​​por trocar baterias, realizar reparos, transportar scooters para áreas de tráfego intenso e pescá-las no rio Tibre da cidade.

São as scooters que não estão em uso que apresentam o maior desafio, especialmente para os deficientes.

“Uma série de sustos”

Enquanto Giuliano Frittelli, chefe da União Italiana para Cegos e Deficientes Visuais, navega com sua bengala em torno de meia dúzia de scooters espalhadas pela calçada perto de seu escritório no centro da cidade, ele diz à CNN que, para pessoas que não enxergam, elas são uma armadilha mortal.

“O primeiro problema é o estacionamento selvagem”, diz Frittelli enquanto bate sua bengala na base de uma scooter, explicando que sua forma incomum também facilita para alguém com deficiência visual tropeçar nelas.

Ele diz que, por serem elétricas, são silenciosas, o que também é uma ameaça para quem não pode ver.

“Você não os ouve, então você não pode navegar ao redor delas”, diz Frittelli, lembrando um incidente quando uma scooter passou por uma pessoa cega tão perto que seu cão-guia assustado pulou da calçada, causando o que ele chamou de “uma série de sustos” que felizmente não terminaram em uma lesão física.

O grupo de Frittelli está trabalhando com a Prefeitura de Roma para tornar obrigatório que as scooters sejam estacionadas apenas em barracas designadas. Ele também quer que eles sejam adaptados para produzir um nível de ruído de pelo menos 30 decibéis para servir como um aviso de sua aproximação.

Ele diz que não são apenas as pessoas com deficiência, incluindo aquelas em cadeiras de rodas, que lutam para usar as ruas quando as calçadas estão repletas de patinetes. Idosos e pais empurrando carrinhos de bebê também são afetados.

O vereador de trânsito da Prefeitura de Roma, Eugenio Patanè, concorda. Ele disse à CNN que, a partir de 1º de janeiro de 2023, a cidade renovará a permissão para apenas 9.000 scooters e reduzirá o número de empresas autorizadas a alugá-las para três.

Ele diz que a cidade também planeja exigir que uma porcentagem das scooters seja colocada nos subúrbios e outras áreas para que os cidadãos comuns possam usá-las para o que ele chama de “última milha”, que pode levá-las de uma estação de metrô até o casas ou permitir que eles executem tarefas rápidas sem pular em um carro.

“Eles são um perigo para as pessoas, mas também são um problema para a cidade, para a beleza da cidade”, diz Patanè. “O centro da cidade é patrimônio da Unesco e é muito frágil e temos que cuidar dele”.

Ignorando as regras

No início de junho, dois americanos foram multados em cerca de US$ 800 por jogar scooters alugadas na Escadaria Espanhola, causando cerca de US$ 26.000 em danos ao frágil mármore.

O incidente foi capturado por câmeras de segurança e por transeuntes que viram um dos turistas jogar a scooter de metal pesado, capturando o som dela batendo nos degraus.

As e-scooters são usadas principalmente por turistas e jovens, diz Patanè, e as regras são muitas vezes ignoradas, principalmente aquelas que proíbem o uso nas calçadas e limitam os passageiros a uma pessoa.

Os locatários também devem ter mais de 18 anos. E a cidade não pode obrigar as locadoras a fornecer capacetes, o que significa que poucas pessoas os usam.

As verificações policiais são raras e as multas são raras para os usuários de scooters que violam as regras básicas, uma vez que é difícil fazer cumprir a regra de proibição de calçada quando as scooters geralmente estão estacionadas nas calçadas.

Eles parecem ser um sucesso entre os turistas. “Para passear, especialmente no centro histórico, onde é quase impossível em um carro, é uma boa opção”, disse Walter Hughes, de Dallas, Texas, à CNN.

“Para aquele lugar que você quer andar rápido, você não consegue encontrar uma vaga de estacionamento para um carro, ou está muito quente para caminhar por cinco horas, então tem as e-scooters”.

Nem todos concordam.

Os motoristas de táxi que tiveram que passar por pedestres e ciclomotores por anos dizem que as e-scooters são um problema muito maior. Eduardo Conticello teve muitos quase acidentes com seu táxi e gostaria de ver as scooters abolidas completamente.

Ele diz à CNN que muitas vezes eles param na frente dele ou caem. “Quando os vejo, dirijo muito, muito devagar”, explica, o que aumenta o tempo de suas viagens, fazendo com que seus passageiros paguem mais por causa deles. “Eles são muito perigosos.”

Mas a vida na cidade eterna nunca foi particularmente fácil em seus 2.800 anos. Roma não foi construída em um dia, como dizem. E seus problemas também não serão resolvidos em um.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*