Carregando...

Terremoto no Afeganistão, CPI da Petrobras e mais de 22 de junho

O terremoto de magnitude 6,1 na escala Richter, que matou pelo menos 950 pessoas no Afeganistão, e a informação de que o governo federal já tem 120 dos 171 deputados federais necessários para a abertura da CPI da Petrobras estão entre os destaques desta quarta-feira (22).

Terremoto de magnitude 6,1 no Afeganistão deixa pelo menos 950 mortos

Um terremoto de magnitude 6,1 na escala Richter matou pelo menos 950 pessoas no Afeganistão nesta quarta-feira (22), disse uma autoridade, acrescentando que mais de 600 ficaram feridos e verificações estão sendo realizadas para ver se o número de vítimas pode aumentar.

O tremor ocorreu a cerca de 44 quilômetros da cidade de Khost, perto da fronteira com o Paquistão, a uma profundidade de 51 quilômetros, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

O tremor foi sentido por cerca de 119 milhões de pessoas no Paquistão, Afeganistão e Índia, disse o Centro Sismológico Europeu nas redes sociais.

Governo diz ter 120 votos de partida para CPI da Petrobras

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-AL), informou à CNN que a CPI da Petrobras tem um apoio de partida de 120 deputados federais. São necessárias, pelo menos, 171 assinaturas para a instalação da comissão de inquérito.

A base aliada do presidente Jair Bolsonaro (PL) finalizou durante a madrugada o requerimento de abertura do que nomeou de “CPI do Preço dos Combustíveis”.

O documento, ao qual o analista da CNN Caio Junqueira teve acesso, diz que “o país assiste estupefato à escalada sem precedentes dos preços dos combustíveis e produtos relacionados, o que tem impacto direto sobre a inflação, e, naturalmente, gera prejuízos à população”.

Com corte no orçamento, 88% das universidades federais têm prejuízos, diz Andifes

Um levantamento da CNN, com base em dados do painel da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), mostrou que 88% faculdades federais tiveram prejuízos milionários após o corte mais recente de 7,2% no orçamento feito pelo governo federal.

Na prática, o Ministério da Educação bloqueou aproximadamente R$ 1,6 bilhão, segundo a pasta.

A análise feita levou em consideração o orçamento das 69 instituições federais localizadas no país. A maioria das universidades, segundo o presidente da Andifes, reitor Marcus David, vive um estrangulamento financeiro. A CNN procurou o MEC sobre o problema apontado pela Andifes e ainda aguarda um retorno.

Taiwan relata dezenas de aeronaves chinesas em sua zona de defesa aérea

Um total de 29 aviões de guerra chineses entraram na zona autodeclarada de identificação de defesa aérea de Taiwan (ADIZ) na terça-feira (21), de acordo com o Ministério de Defesa da ilha.

A pasta disse que os aviões da Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China eram uma mistura de aeronaves de combate, de alerta e controle, de guerra eletrônica, antissubmarino e de reabastecimento aéreo.

Foi o terceiro maior número de jatos chineses entrando na zona de Taiwan em um único dia desde o início do ano e ocorre menos de um mês depois que a China enviou 30 aviões de guerra em uma missão semelhante.

Com mais duas confirmações, Brasil chega a 11 casos de varíola dos macacos

O Ministério da Saúde notificou mais dois novos casos de varíola dos macacos no país, totalizando onze confirmações da doença. As novas detecções de contaminados pelo vírus monkeypox foram feitas pelo Laboratório Adolf Lutz, em São Paulo, por meio do método de isolamento viral.

Os dois pacientes são brasileiros, do sexo masculino, têm entre 36 e 38 anos, e são residentes no estado de São Paulo com histórico de viagem para a Europa. Ambos apresentam quadro clínico estável, não tem complicações e estão sendo monitorados pelas Secretarias de Saúde do estado e do município.

Newsletter

Para receber as principais notícias todos os dias no seu e-mail, cadastre-se na nossa newsletter 5 Fatos em newsletter.cnnbrasil.com.br

* Publicado por Léo Lopes


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*