Carregando...

"O que fazer após outro desastre?": Afegãos enfrentam nova crise após terremoto

Grupos de ajuda se mobilizaram na quinta-feira (23) para alcançar as vítimas de um poderoso terremoto que abalou o leste do Afeganistão, matando mais de 1.000 pessoas em uma área devastada pela infraestrutura precária, enquanto o país enfrenta terríveis crises econômicas e de fome.

A resposta lenta, exacerbada por sanções internacionais e décadas de má gestão, diz respeito a pessoas que trabalham no espaço humanitário, como Obaidullah Baheer, professor de Justiça de Transição na Universidade Americana do Afeganistão.

“Esta é uma solução paliativa para um problema que precisamos começar a pensar (sobre) a médio e longo prazo… o que fazemos quando (outro desastre) acontece?”, disse ele à CNN por telefone.

O terremoto de magnitude 5,9 na escala Richter ocorreu durante as primeiras horas de quarta-feira (22), perto da cidade de Khost, na fronteira com o Paquistão, e o número de mortos deve aumentar, já que muitas das casas na área são feitas de madeira, lama e outros materiais vulneráveis ​​a danos.

As agências humanitárias estão convergindo para a área, mas pode levar dias até que a ajuda chegue às regiões afetadas, que estão entre as mais remotas do país.

As equipes enviadas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) ainda não chegaram, de acordo com Anita Dullard, porta-voz do CICV na região. Shelley Thakral, porta-voz do Programa Mundial de Alimentos da ONU em Cabul, disse que os esforços para levar ajuda às áreas afetadas estão sendo retardados pelas condições das estradas.

“Os desafios que estamos enfrentando, antes de tudo, são geográficos e logísticos, porque a área é muito remota e montanhosa. Ontem tivemos muita chuva aqui e a combinação da chuva e do terremoto pode levar a deslizamentos de terra em algumas áreas, tornando as estradas difíceis de passar”, disse o chefe de comunicações do Unicef no Afeganistão, Sam Mort, à CNN.

À medida que médicos e equipes de emergência de todo o país tentam acessar o local, espera-se que a ajuda seja limitada, já que várias organizações se retiraram do país quando o Talibã assumiu o poder em agosto do ano passado.

Aqueles que permanecem são escassos. Na quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que mobilizou “todos os recursos” do país, com equipes em campo fornecendo medicamentos e apoio de emergência. Mas, como disse um funcionário da OMS, “os recursos estão sobrecarregados, não apenas para esta região”.

“Muito sombrio”

A hesitação da comunidade internacional em lidar com o Talibã e a “burocracia confusa do grupo, onde se torna difícil obter informações de uma única fonte”, levou a uma falha de comunicação nos esforços de resgate, disse Baheer, que também é o fundador do grupo de ajuda “Salvem Afegãos da Fome”.

“No centro de tudo está como a política se traduziu nessa lacuna de comunicação, não apenas entre os países e o Talibã, mas também as organizações internacionais de ajuda e o grupo”, acrescentou.

Baheer dá um exemplo de como tem atuado como um canal de informações com o PAM e outras organizações de ajuda, informando que o Ministério da Defesa do Afeganistão estava oferecendo ajuda de transporte aéreo de organizações humanitárias para áreas gravemente atingidas.

Enquanto isso, algumas pessoas passaram a noite em abrigos improvisados ​​ao ar livre, enquanto os socorristas procuravam sobreviventes com lanternas. As Nações Unidas dizem que 2.000 casas foram destruídas. Imagens da província de Paktika, onde a maioria das mortes foi relatada, mostram casas reduzidas a poeira e escombros.

Homens procuram sobreviventes em escombros de casa destruída por terremoto no Afeganistão / 23/06/2022 REUTERS/Ali Khara

Hsiao-Wei Lee, vice-diretora do PAM no Afeganistão, descreveu a situação no terreno como “muito sombria”, onde algumas aldeias em distritos fortemente afetados “estão completamente dizimadas”, disse ela.

“Haverá meses e potencialmente anos de reconstrução”, disse Lee. “As necessidades são muito maiores do que apenas alimentos… Poderia ser um abrigo, por exemplo, para poder facilitar a movimentação desses alimentos, bem como o desembaraço aduaneiro, a logística seria útil.”

Autoridades dizem que a ajuda está chegando às áreas afetadas. O governo até agora distribuiu alimentos, barracas, roupas e outros suprimentos para as províncias atingidas pelo terremoto, de acordo com o Ministério da Defesa do Afeganistão.

Equipes médicas e de socorro enviadas pelo governo afegão já estão presentes nas áreas atingidas pelo terremoto e tentam transportar os feridos para instalações médicas e centros de saúde por terra e ar, acrescentou a pasta.

Impacto das sanções

Embora a crise econômica no Afeganistão esteja se aproximando há anos, resultado de conflitos e secas, despencou para novas profundezas após a tomada do Talibã, que levou os Estados Unidos e seus aliados a congelarem cerca de US$ 7 bilhões das reservas estrangeiras do país e cortar o financiamento internacional.

Os EUA não têm mais presença no Afeganistão após a retirada apressada de suas tropas e o colapso do governo afegão anterior, apoiado pelos americanos. Muitas nações não têm relações oficiais com o governo talibã.

As sanções paralisaram a economia afegã e enviaram muitos de seus 20 milhões de habitantes a uma grave crise de fome. Milhões de afegãos estão desempregados, funcionários do governo não estão recebendo salários e o preço dos alimentos disparou.

A ajuda humanitária está excluída das sanções, mas há impedimentos, de acordo com Martin Griffiths, chefe do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, à frente de um Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Afeganistão.

Isso inclui uma grande necessidade de financiamento, as autoridades do Talibã “buscando desempenhar um papel na seleção de beneficiários e canalizando assistência para pessoas em suas próprias listas de prioridades”, e o “sistema bancário formal continua a bloquear transferências”, escreve Griffiths.

Reunião Talibã Moscou
Membros do Talibã participam de conferência sobre o Afeganistão em Moscou / Reuters

Isso significa que “muitas organizações estão enfrentando atrasos na transferência de fundos, relatando que bancos internacionais continuam negando as transações, além da falta de dinheiro disponível no país ser um impedimento programático.”

Baheer diz que as sanções “estão nos prejudicando tanto” que os afegãos estão lutando para enviar dinheiro para as famílias afetadas pelo terremoto. “O fato de que mal temos um sistema bancário, de não termos novas moedas impressas ou trazidas para o país nos últimos nove a 10 meses, nossos ativos estão congelados”.

Ele acrescentou: “As únicas sanções que fazem sentido moral são sanções direcionadas a indivíduos específicos, em vez de sancionar todo um país e um povo inteiro”.

Embora “as sanções tenham afetado grande parte do país, há uma isenção para a ajuda humanitária, por isso estamos conseguindo apoiar os mais necessitados”, disse Mort, da Unicef, à CNN.

Especialistas e autoridades dizem que as necessidades imediatas mais urgentes incluem assistência médica e transporte para os feridos, abrigo e suprimentos para os deslocados, comida, água e roupas.

A ONU distribuiu suprimentos médicos e enviou equipes móveis de saúde para o Afeganistão – mas alertou que não possui recursos de busca e resgate.

O Paquistão se ofereceu para ajudar, abrindo passagens de fronteira em sua província de Khyber Pakhtunkwa, ao norte, e permitindo que afegãos feridos entrem no país sem visto para tratamento, segundo Mohammad Ali Saif, porta-voz do governo regional.

“400 afegãos feridos entraram no Paquistão esta manhã para tratamento e o fluxo de pessoas continua, esses números devem aumentar”, disse Saif à CNN.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*