Carregando...

Extremistas do Hamas executam 5 palestinos por homicídio ou por 'colaboração' com Israel - Notícias - R7 Internacional

Pela primeira vez em cinco anos, o movimento islâmico armado Hamas, no poder na Faixa de Gaza, executou cinco palestinos neste domingo (4) — dois deles por, supostamente, manterem "colaboração" com Israel.

"Na manhã de domingo, a sentença de pena de morte foi executada contra dois condenados por colaborar com a ocupação [Israel] e outros três por processos criminais", anunciou o Hamas em comunicado, no qual assegurou que os cinco "tiveram anteriormente a plena direito de se defender" perante os tribunais locais.

O Ministério do Interior da Faixa de Gaza, território palestino de 2,3 milhões de pessoas sob controle do Hamas desde 2007, revelou o ano de nascimento e outros detalhes de cada caso, mas não a identidade dos executados.

Os dois condenados por "colaboração" com Israel são dois homens nascidos em 1968 e 1978.

O mais velho dos dois é um residente de Khan Younis (sul) que foi "enforcado". Ele foi condenado pela justiça local por fornecer a Israel, desde 1991, "informações sobre membros da resistência, seus locais de residência" e "a localização da fabricação de foguetes e locais de lançamento", disse o Hamas.

O segundo foi "fuzilado" por fornecer informações a Israel desde 2001, o que levou ao "ataque e martírio de cidadãos" pelas forças israelenses, acrescentou o Hamas. As outras três pessoas executadas tinham condenações anteriores por homicídio, disse o Ministério do Interior do Hamas em comunicado.

Nos últimos anos, as autoridades de Gaza condenaram à morte várias pessoas por crimes diversos ou por "colaboração" com o Estado de Israel, embora essas sentenças de morte não tenham sido cumpridas. As últimas execuções conhecidas datam de 2017.

Três palestinos — Ashraf Abu Leila, Hisham al Alul e Abdalá al Nashar — foram executados publicamente após serem sentenciados em um julgamento rápido perante a justiça militar local, por terem participado do assassinato de um comandante do Hamas, Mazen Faqha, "por forças de Israel".

Como neste domingo, no caso dos dois executados por “colaboração” com Israel, o Hamas justificou as execuções de 2017 sob o código revolucionário da OLP (Organização para a Libertação da Palestina).

O Hamas, no entanto, não faz parte da OLP, cujo código revolucionário está desatualizado na questão da pena capital em relação à Lei Básica Palestina de 2003. A Autoridade Palestina, liderada por Mahmud Abas, também aderiu em 2019 ao tratado da ONU que busca abolir a pena de morte.

Desde que os islâmicos do Hamas tomaram o poder na Faixa de Gaza em 2007 por meio das armas, em detrimento dos moderados do partido Fatah de Mahmud Abas, os territórios palestinos foram profundamente divididos politicamente.

A Autoridade Palestina de Mahmoud Abbas, com sede na Cisjordânia ocupada por Israel, não tem controle sobre a Faixa de Gaza, um escasso território palestino dominado pelo Hamas e sob estrito bloqueio israelense há 15 anos.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar