Carregando...

Fretadores protestam para pressionar Zema a vetar projeto de lei que regula serviço em MG

Ônibus fretados se concentram para protesto, em frente à Cidade Administrativa — Foto: Ewerton Lopes/ TV Globo

Ônibus fretados se concentram para protesto, em frente à Cidade Administrativa — Foto: Ewerton Lopes/ TV Globo

Empresários do transporte fretado realizam um protesto na rodovia MG-010, em frente à Cidade Administrativa, na manhã desta quarta-feira (15). De lá, eles vão seguir para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), onde farão um "buzinaço".

Por volta das 7h30, a reportagem da TV Globo apurou que havia cerca de 250 ônibus estacionados em frente à Cidade Administrativa. A concentração não prejudicava o trânsito.

A manifestação é contra o Projeto de Lei 1.155/2015, de autoria do deputado Alencar da Silveira Junior (PDT), aprovado em segundo turno no dia 31 de agosto.

O texto prevê mudanças como adoção do circuito fechado, em que a viagem de ida e volta é feita com o mesmo grupo de passageiros, e exigência de envio de lista nominal das pessoas a serem transportadas, com prazo mínimo de seis horas antes do início da viagem. Além disso, determina que as viagens não podem ter regularidade de dias, horários ou itinerários, como o transporte público.

Os fretadores querem que o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), vete a proposição de lei. Em janeiro deste ano, Zema tinha publicado um decreto para regulamentar o serviço de fretamento, dando fim ao circuito fechado. No entanto, um projeto de resolução aprovado em julho derrubou os efeitos desse decreto.

"Hoje o turismo é muito dinâmico. No circuito fechado, se aparece um cliente, você não pode acrescentar na lista. Acaba nos prejudicando e prejudicando também pousadas e hotéis. Esse projeto de lei favorece as grandes empresas. Vamos reivindicar com mais de 300 ônibus e vans e pedir ao governador para vetar", afirmou o empresário Cleuber Vieira.

Esta reportagem está em atualização.

Vídeos mais vistos no G1 MG:

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*