Carregando...

Conselho de Ética de BH arquiva denúncia contra secretário de Kalil - Notícias - R7 Minas Gerais

O Conselho de Ética da Prefeitura de Belo Horizonte arquivou a denúncia feita pelo ex-chefe de gabinete Alberto Lage, contra o secretário de Governo, Adalclever Lopes.

Lage havia denunciado que o secretário teria pressionado uma agência de comunicação a realizar uma pesquisa eleitoral de âmbito estadual sem custos.

O arquivamento foi aprovado por unanimidade pelos três conselheiros que participaram da reunião. Em seu parecer, o relator Marcelo Leonardo alegou "falta de justa causa". Para embasar o voto, o advogado destacou que Lage indicava "insegurança" no texto da denúncia, ao usar expressões como "submeto para apreciação dos senhores ato possivelmente ilícito" e
"passou a impressão de que buscava constranger".

Leonardo ainda pontuou que em seu depoimento, Lage não assumiu o juramento de dizer a verdade, aconselhado pelo advogado dele.

O relator também questionou o motivo do ex-chefe de gabinete ter denunciado no dia 1º de outubro um fato supostamente ocorrido em fevereiro. Também participaram da votação os advogados Rodolfo Gropen e Rômulo de Carvalho.

Resposta

Sobre a falta do juramento durante o depoimento, Lage alegou que seu advogado o alertou que ele "poderia ser vítima de uma armação para forçar um falso testemunho" em uma "comissão controlada pela prefeitura".

Sobre o arquivamento da denúncia, o ex-membro da gestão Kalil disse ao R7 que não vai "ficar brigando com conselho de ética".

— Já cumpri meu papel de avisar, não é minha função ficar insistindo ou me expondo.

Lage enviou ao conselho novo documento, nesta quarta-feira (13), com mais informações sobre a suposta denúncia. O município não se manifestou sobre o assunto ainda. Durante a reunião do grupo, na sexta-feira (8), os conselheiros informaram que dados enviados pelo denunciante no dia 6 seriam avaliados em outro procedimento.

Em entrevista à Record TV Minas e em depoimento ao Conselho, Adalclever Lopes negou todas as supostas irregularidades.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*