Carregando...

Durante oito dias, festival em BH aborda vida e ancestralidade negras; veja programação

'Eu, negra' está em cartaz na 'Semana de Cinema Negro' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

'Eu, negra' está em cartaz na 'Semana de Cinema Negro' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

A vida, a diversidade e a ancestralidade negras vêm à tona na 2ª edição da "Semana de Cinema Negro de Belo Horizonte ". Durante oito dias, a capital mineira "mergulha" no festival que começa nesta quinta-feira (8) e segue até o dia (15).

São mais de 40 filmes nacionais e internacionais e, nesta edição, celebra a retomada dos encontros presenciais – já que a primeira foi feita de forma on-line em 2021.

A programação é gratuita e realizada no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, no Centro de BH, com encerramento no Cine Santa Tereza.

A programação traz curtas e longas – obras de ficção, documentários e filmes experimentais destinados aos públicos adulto e infantil –, além de debates, oficinas e conversas.

Cena do filme 'Ímã de geladeira' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

Cena do filme 'Ímã de geladeira' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

Um dos destaques é a mostra brasileira Cine-Escrituras Pretas que, a partir de chamamento público para inscrição de filmes de realizadores negros e negras, selecionou 27 trabalhos.

Layla Braz, coordenadora geral e diretora artística, diz que o festival é o encontro dos cinemas africano com o brasileiro, e com Minas Gerais.

“Na mostra brasileira serão 10 filmes mineiros que trazem questões de diversidade, de vida e ancestralidade, como também a busca por novas possibilidades de se ver no cinema – não apenas corpos negros retratados com violência”.

'Forrando a vastidão' na 'Semana do Cinema Negro' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

'Forrando a vastidão' na 'Semana do Cinema Negro' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

Mostras internacionais

Outro destaque são as mostras internacionais em que serão exibidos trabalhos do Sudão, Mauritânia, Etiópia e Somália.

Para Layla, os filmes sudaneses têm semelhança com a dificuldade de se produzir a Sétima Arte no Brasil.

“Apesar da dificuldade de acesso e produção, assim como no Brasil, conseguem apresentar uma grande quantidade e diversidade de filmes".

Na mostra Sudão, o público tem a oportunidade de assistir a mais de quatro filmes inéditos no Brasil.

Como na primeira edição, o evento tem um catálogo com informações sobre a programação, textos inéditos e ensaios sobre os filmes. Acesse os links abaixo.

O filme 'Talking about trees' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

O filme 'Talking about trees' — Foto: Semana de Cinema Negro/Divulgação

Veja programação aqui

Serviço

2ª edição da "Semana de Cinema Negro de Belo Horizonte"

  • Data: 8 a 15 de setembro
  • Local: Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes) – Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro
  • Modalidade: evento presencial e gratuito

50 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*