Carregando...

Cerejeiras enfeitam vários pontos do Alto Tietê e têm alta procura no comércio

Cerejeiras enfeitam Alto Tietê

Cerejeiras enfeitam Alto Tietê

As árvores cerejeiras enfeitam vários pontos do Alto Tietê e, quando elas florescem, é um aviso de que a primavera está chegando.

No Bunkyo de Suzano, por exemplo, são mais de 20 árvores de cerejeiras, todas muito bem cuidadas e que florescem uma vez por ano. No local, são duas espécies diferentes. As primeiras mudas foram trazidas do Japão, no final dos anos 1970.

A cerejeira do tipo okinawa é mais robusta. A floração dela foi em julho. Atualmente, estão nascendo os frutos, que podem ser semeados depois. O outro tipo é o yukiwari, que floresceu no final de agosto, mas as chuvas já levaram a maioria das flores.

O Bunkyo realiza, anualmente, a tradicional festa das cerejeiras no mês de julho. A pandemia impediu o evento nos últimos dois anos, mas a expectativa é receber o público em 2022.

“Vai ser a nossa 35ª Festa da Cerejeira, e queremos realizar com tudo o que for possível para a população vir conhecer a cultura da comunidade japonesa”, falou o presidente da Associação Cultural Suzanense, Reinaldo Katsumata.

Cerejeiras estão em vários lugares do Alto Tietê — Foto: Reprodução/TV Diário

Cerejeiras estão em vários lugares do Alto Tietê — Foto: Reprodução/TV Diário

Já em Mogi das Cruzes, o Parque Centenário ganhou um espaço para as cerejeiras. A chuva do fim de semana derrubou uma parte das flores. Ainda assim, quem passa por lá quer admirar até o último minuto. “São lindas. Eu adoro vir aqui. Tiro várias fotos. Minha filha também. A gente adora vir”, comentou a aposentada Clara Puxeddu.

A beleza das cerejeiras está na delicadeza das flores. A cor também chama a atenção. E não são todas iguais: existem mais de 600 tipos para serem admirados.

O tempo de floração dela é de apenas duas semanas. Na tradição japonesa, o tempo curto da flor é comparado à vida dos samurais, porque eles geralmente morrem cedo nos campos de batalha.

A floração é o anúncio da renovação, com a transição do inverno para a primavera. No Brasil, o fenômeno ocorre entre junho e agosto. A árvore exige cuidados para ser cultivada.

“O que a gente recomenda é você plantar ela em um solo bom de drenagem, porque ela não gosta de ficar com um solo muito encharcado. O clima ideal é um clima mais gelado, então o pessoal costuma plantar mais na região Sul do país, aqui na nossa região também dá, ou em altitudes”, explicou o comerciante Danilo Hágio.

Mesmo assim, a cerejeira tem sempre quem esteja disposto a separar um tempo para cultivá-la. Prova disso são os estoques da planta, vendidos por completo, toda semana, em uma floricultura do Alto Tietê.

“O comércio dela é muito procurado. Então toda semana chega e acaba em menos de dois, três dias”, disse o comerciante.

Assista a mais notícias do Alto Tietê

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*