Carregando...

Vaticano publica os arquivos de judeus que pediram ajuda para fugir do Holocausto durante a Segunda Guerra

Imagem mostra as novas versões, em inglês e hebraico, do texto sobre o Papa Pio XII apresentado pelo Museu do Holocausto em Israel; críticas à postura do Papa durante a Segunda Guerra foram suavizadas em 1º de julho de 2012 — Foto: Menahem Kahana/AFP

Imagem mostra as novas versões, em inglês e hebraico, do texto sobre o Papa Pio XII apresentado pelo Museu do Holocausto em Israel; críticas à postura do Papa durante a Segunda Guerra foram suavizadas em 1º de julho de 2012 — Foto: Menahem Kahana/AFP

O Vaticano tornou públicos online, nesta quinta-feira (23), milhares de cartas escritas por judeus europeus ao papa Pio XII (1939-1958) pedindo ajuda para escapar das execuções nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Foi o atual papa, Francisco, que determinou a publicação desse material histórico.

Leia também

  • Vaticano vai abrir arquivos secretos de pontificado de Pio XII durante a 2ª Guerra Mundial

Em torno de 40 mil arquivos foram digitalizados e distribuídos em 170 pastas. Os textos podem ser consultados no site da Santa Sé.

Vaticano vai abrir arquivos secretos sobre Pio XII, acusado de silêncio sobre holocausto

Vaticano vai abrir arquivos secretos sobre Pio XII, acusado de silêncio sobre holocausto

Historiadores já tiveram acesso

Em março de 2020, o Vaticano já permitiu que os pesquisadores tivessem acesso a 120 fundos e séries de arquivos históricos sobre Pio XII. Esse papa é acusado de ter se mantido em silêncio durante o extermínio de 6 milhões de judeus.

O Vaticano defende Pio XII, afirmando que salvou muitos judeus, os escondendo em instituições religiosas e que, com seu silêncio, queria apenas não agravar ainda mais a situação.

Essa nova publicação permitirá que os descendentes dos remetentes possam "encontrar o rastro de seus familiares de qualquer parte do mundo", disse o monsenhor Paul Gallagher, responsável pelas relações com os Estados, em um artigo publicado pelo "L'Osservatore Romano", o jornal do Vaticano.

Visto, asilo, escapar dos campos de concentração

As cartas chegaram de todas as regiões da Europa. Os autores buscavam principalmente conseguir vistos ou passaportes, obter asilo, ajuda para reunir parentes ou informações sobre pessoas deportadas. Alguns pediam ajuda para serem soltos dos campos de concentração.

O destino da maioria dos que pediram ajuda é desconhecido, diz o Vaticano.

Em uma mensagem escrita em 1942, um estudante alemão de 23 anos explica que quer fugir de um campo de concentração na Espanha. "Há poucas esperanças para os que não tem nenhuma ajuda de fora", escreveu o jovem.

Os arquivos não revelam nenhuma outra informação mas, segundo as investigações do United States Holocaust Memorial Museum de Washington, o homem foi libertado um ano depois de enviar a carta e se mudou para a Califórnia.

A publicação que acontece um dia depois do papa se reunir com uma organização internacional judia.

Acadêmicos e historiadores pressionaram o Vaticano durante décadas para que esses documentos fossem disponibilizados.

Veja os vídeos mais assistidos do g1

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*