Carregando...

Itália quer 'reciprocidade' para vacinas não autorizadas pela UE

O diretor-geral da Agência Italiana de Medicamentos (Aifa), Nicola Magrini, afirmou nesta quinta-feira (14) que está sendo avaliada a possibilidade de liberar o "passe verde", o certificado sanitário do país, para quem tomou vacinas anti-Covid não autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).
    A medida beneficiaria quem recebeu doses das fórmulas produzidas na China, como as da Sinovac Biotech, que no Brasil é chamada de CoronaVac, e da Sinopharm, e na Rússia, como a Sputnik V.
    "Acredito que isso terá uma evolução favorável. Está em andamento a avaliação e acredito que será avaliada favoravelmente a ideia de reciprocidade entre os Estados. Isso é importante também na ótica de política externa e não só vacinal", disse Magrini durante um encontro médico no país.
    Essa não é a primeira vez que membros de órgãos do governo afirmam que está sendo avaliada a possibilidade de liberar a entrada de pessoas que tomaram as vacinas, especialmente, as chinesas. Isso porque os imunizantes têm a autorização de uso da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas não da EMA.
    No caso da Sputnik V, porém, não há liberação de nenhuma das duas agências.
    Atualmente, a Itália aceita em seu "passe verde" as vacinas da Pfizer/BioNTech, da Moderna, da Oxford/AstraZeneca - inclusive a produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) -, e da Janssen. .
   

  • Por que os cientistas já sabem onde procurar vida em Marte
  • OMS recomenda 3ª dose para idosos vacinados com Coronavac
  • Ataque com arco e flecha deixa ao menos 5 mortos na Noruega
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*