Carregando...

Mourão diz que narcotráfico pode estar envolvido com garimpo no Madeira; PF e Marinha vão agir

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quinta-feira que a Polícia Federal e a Marinha preparam uma ação de repressão aos garimpeiros ilegais que estão atuando no rio Madeira, no Estado do Amazonas, e afirmou que existe uma suspeito de envolvimento do tráfico de drogas.

Balsas de garimpeiros no rio Madeira23/11/2021REUTERS/Bruno Kelly
Balsas de garimpeiros no rio Madeira 23/11/2021 REUTERS/Bruno Kelly
Foto: Reuters

"A Polícia Federal e a Marinha já estão se preparando para agir", disse Mourão a jornalistas em Brasília, depois que centenas de balsas de garimpeiros foram avistadas no Madeira.

  • Bolsonaro ataca proposta e ameaça reagir "fora das 4 linhas"
  • PSDB: deputada anuncia apoio a Bolsonaro e saída do partido
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

"Nós temos tido vários informes de que o narcotráfico, essas quadrilhas que agem no Centro-Sul do país, na ordem de proteger suas rotas subiram para lá, e uma das formas de eles se manterem é apoiando ações dessa natureza. Até porque esse ouro é extraído ilegalmente e é um ativo que eles podem trocar por drogas", acrescentou.

Indagado se a ação da PF e da Marinha contará com a presença de órgãos de fiscalização ambiental, o vice-presidente chegou a mencionar o Ibama, mas em seguida disse que a presença mais importante neste caso é da Marinha e afirmou que a força naval poderá apreender embarcações ilegais.

"O principal ali é a Marinha. A Marinha tem que verificar quem está com a embarcação ilegal e quem estiver ilegal vai ter a embarcação apreendida", disse Mourão, que comanda o Conselho da Amazônia.

Imagens feitas pela Reuters e pelo Greenpeace no rio mostraram na quarta-feira as balsas equipadas com bombas de água amarradas juntas em filas que quase atravessam todo o largo rio Madeira. Uma testemunha da Reuters avistou fumaça de escapamento indicando que estão aspirando ouro no leito do rio. Segundo o Greenpeace, havia ao menos 300 balsas e elas estavam no local há duas semanas, sem que as autoridades tomassem medidas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*