Carregando...

Moradores de Mariupol mandam carta pedindo ajuda ao Papa

  • CIA adverte que reveses podem levar Putin a usar arma nuclear
  • 'A batalha por Donbas será longa e sangrenta, mais parecida com a Segunda Guerra Mundial do que com o que ocorreu em Kiev'
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Um grupo de "mães, esposas e filhos dos defensores de Mariupol" enviou uma carta ao papa Francisco pedindo ajuda para que ele use sua influência para acabar com a guerra na Ucrânia. O documento foi entregue por meio do cardeal Michael Czerny, que relatou o conteúdo para a mídia nesta terça-feira (19).
    Segundo os cidadãos, em Mariupol se vive como se estivesse em uma "armadilha mortal" e o líder católico é visto como "o último baluarte de esperança".
    "A carta evidencia o que o Papa tem dito desde o início, especialmente durante o Urbi et Orbi de Páscoa, quando falou claramente da irracionalidade total da guerra", explica ainda Czerny.
    Além da mídia vaticana, o canal ucraniano "UaTV-Channel" divulgou as cerca de duas páginas da carta onde é relatado que Mariupol foi "reduzida a cinzas" e que está sob ataque "24 horas por dia". Os moradores afirmam que a localidade é "o epicentro de uma catástrofe humanitária sem precedentes na Europa do século 21" e que isso "mostra mais uma vez a inadmissibilidade do assédio à cidade" com seus "ataques indiscriminados".
    "Santo Padre, é ainda possível ajudar os que sofrem, mesmo que o número de quem não consegue sobreviver aumenta a cada dia", diz outro trecho do documento.
    As mulheres e os filhos dos combatentes informam ainda que há centenas de feridos entre civis e militares e que eles não conseguem receber nenhum tipo de ajuda porque não existe mais nenhum tipo e remédio ou de produtos para desinfetar as feridas "e que eles precisam ser evacuados do campo de batalha".
    Esse é o segundo documento do tipo enviado para o líder católico em menos de dois dias. Antes, o major Sergiy Volyna, comandante da 36ª brigada de fuzileiros navais ucranianos, também enviou uma carta a Francisco dizendo que "só as orações não bastam mais" e que a cidade é um "inferno" na terra.
    O Papa tem feito recorrentes apelos para que a Rússia pare com os ataques na Ucrânia tanto em celebrações religiosas como em encontros com líderes mundiais. Nos bastidores, o Vaticano inclusive trabalha em uma visita do Pontífice a Kiev.
    Já Mariupol é uma cidade portuária que já está praticamente tomada pelos russos depois de mais de 50 dias de guerra, com cerca de 90% de seus prédios e residências destruídos. Há apenas um ponto de resistência ucraniana no momento e cerca de 100 mil civis presos dentro do território.
    Localizada no Mar de Azov, a cidade tem tanto uma importância estratégica por estar entre a península da Crimeia, anexada unilateralmente pelos russos em 2014, e as áreas separatistas pró-Rússia no Donbass, como simbólica, já que é um dos maiores portos ucranianos. .
   


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*