Carregando...

Presidente palestino culpa Israel por assassinato de repórter da Al Jazeera

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse nesta quinta-feira que as autoridades israelenses são "totalmente responsáveis" pelo assassinato de uma veterana repórter da emissora Al Jazeera durante confrontos na Cisjordânia ocupada, e pediu uma investigação internacional.

Shireen Abu Akleh sofreu ferimento de bala na cabeça em Jenin na quarta-feira. A Al Jazeera e o Catar, onde a rede de notícias está sediada, acusaram as tropas israelenses pelo assassinato.

  • Quem é o promotor paraguaio que investigava PCC assassinado em lua de mel
  • Caçada por preso que fugiu com carcereira termina em morte
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Israel, que lamentou a morte de Abu Akleh, disse que o tiro fatal pode ter sido disparado por um atirador palestino. Propôs uma investigação conjunta com os palestinos, pedindo-lhes que forneçam a bala para análise.

"Rejeitamos a investigação conjunta com as autoridades de ocupação israelenses porque eles cometeram o crime e porque não confiamos neles", disse Abbas durante uma cerimônia oficial em homenagem a Abu Akleh, que era palestina-americana.

Ele acrescentou que a Autoridade Palestina "irá imediatamente ao Tribunal Penal Internacional para localizar os criminosos".

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, confirmou que a Autoridade Palestina rejeitou uma investigação compartilhada.

"Reitero minha expectativa de cooperação aberta, transparente e total", disse ele em comunicado.

Abu Akleh, de 51 anos, estava vestindo um colete azul claramente marcado como "Press" enquanto trabalhava em Jenin, disse a Al Jazeera. Ela estava cobrindo a mais recente operação de prisão lançada pelos militares israelenses em meio a ataques árabes mortais em Israel. Outro jornalista palestino no local, Ali Samoodi, ficou ferido.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*