Carregando...

Varíola dos macacos: o que se sabe sobre rara infecção viral com mais dois casos na Inglaterra

Sintomas da varíola dos macacos incluem erupção cutânea, febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão
Sintomas da varíola dos macacos incluem erupção cutânea, febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mais duas pessoas foram diagnosticadas com varíola dos macacos, uma rara infecção viral, na Inglaterra, informou a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido.

Os indivíduos vivem juntos no mesmo domicílio, mas não estão ligados ao caso anterior anunciado em 7 de maio.

  • Quem é o promotor paraguaio que investigava PCC assassinado em lua de mel
  • Caçada por preso que fugiu com carcereira termina em morte
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

Dos dois novos casos, um estava recebendo atendimento no Hospital St Mary, em Londres, e o outro estava em isolamento, acrescentou a agência.

A varíola dos macacos é uma infecção viral rara da qual a maioria das pessoas se recupera em algumas semanas, segundo o NHS (sistema público de saúde do Reino Unido, o SUS britânico).

Mas pode ser potencialmente séria. Geralmente, começa com sintomas semelhantes aos da gripe e inchaço dos gânglios linfáticos. Posteriormente, progride para uma erupção disseminada no rosto e no corpo.

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA, na sigla em inglês) anunciou em 7 de maio que uma pessoa que viajou recentemente para a Nigéria havia contraído a infecção.

Varíola dos macacos causa uma erupção cutânea, que pode ser extremamente pruriginosa, que muda e passa por diferentes estágios antes de finalmente formar uma crosta
Varíola dos macacos causa uma erupção cutânea, que pode ser extremamente pruriginosa, que muda e passa por diferentes estágios antes de finalmente formar uma crosta
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Acredita-se que eles contraíram a doença na Nigéria antes de viajar para o Reino Unido.

Colin Brown, diretor de infecção clínica e emergente do UKHSA, disse que os dois novos casos de varíola não estavam ligados ao caso anunciado em 7 de maio.

Varíola dos macacos pode ser potencialmente séria. Geralmente, começa com sintomas semelhantes aos da gripe e inchaço dos gânglios linfáticos. Posteriormente, progride para uma erupção disseminada no rosto e no corpo
Varíola dos macacos pode ser potencialmente séria. Geralmente, começa com sintomas semelhantes aos da gripe e inchaço dos gânglios linfáticos. Posteriormente, progride para uma erupção disseminada no rosto e no corpo
Foto: Science Photo Library / BBC News Brasil

"Embora as investigações continuem em andamento para determinar a fonte da infecção, é importante enfatizar que ela não se espalha facilmente entre as pessoas e requer contato pessoal próximo com uma pessoa sintomática infectada", disse ele.

"O risco geral para o público em geral permanece muito baixo."

Brown disse que a agência estava entrando em contato com "quaisquer amigos, familiares ou contatos em potencial na comunidade", bem como "profissionais de saúde que trataram" dos dois novos casos.

Os indivíduos vivem juntos, mas não estão vinculados ao caso anunciado em 7 de maio, segundo a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido
Os indivíduos vivem juntos, mas não estão vinculados ao caso anunciado em 7 de maio, segundo a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido
Foto: Science Photo Library / BBC News Brasil

Os sintomas iniciais da varíola do macaco incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão.

Uma erupção também pode se desenvolver, que geralmente começa no rosto antes de se espalhar para outras partes do corpo. Em seguida, forma uma crosta que cai.

A Public Health England, a agência de saúde pública do governo britânico, disse que a varíola dos macacos não se espalha facilmente e a maioria dos pacientes se recupera em algumas semanas, mas pode causar doenças graves em algumas pessoas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*