Carregando...

MPRJ denuncia médico suspeito de manter paciente em cárcere privado por tentativa de homicídio

Médico é preso suspeito de manter paciente em cárcere privado após procedimento cirúrgico
Médico é preso suspeito de manter paciente em cárcere privado após procedimento cirúrgico
Foto: Reprodução/TV Globo

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 3ª Promotoria de Investigação Penal Territorial do Núcleo Duque de Caxias, denunciou o cirurgião plástico equatoriano Bolivar Guerrero Silva e a técnica de enfermagem Kellen Cristina de Queiroz dos Santos por tentativa de homicídio qualificado contra a paciente Daiana Chaves Cavalcanti. Na denúncia, ofertada nesta quinta-feira, 18, foi pedida a prisão preventiva de Bolivar.   

Daiana fez uma abdominoplastia em março, seguida de uma cirurgia de aumento das mamas. A operação no abdomem teve várias complicações. Segundo a denúncia, mesmo estando debilitada, com anemia, hipotireoidismo e hipertensão arterial sistêmica, o cirurgião  "de maneira livre e consciente, sem exigir exames que atestassem os riscos" submeteu a paciente a mais uma cirurgiã. 

  • MP vê indícios de 'homicídio tentado' e Justiça prorroga prisão de cirurgião plástico
  • Justiça nega habeas corpus a cirurgião plástico preso por suspeita de cárcere privado
  • As notícias do dia você acompanha na capa do Terra; confira!

“Ao fazer a nova cirurgia, o denunciado conhecia a possibilidade de provocar a morte da paciente e consentiu na produção desse resultado, na medida em que se mostrou completamente indiferente às suas condições de saúde”, diz trecho do documento.

Ainda segundo a denúncia da 3ª Promotoria de Investigação Penal Territorial do Núcleo Duque de Caxias, Bolivar Guerrero Silva constatou que não conseguia reverter o quadro clínico que se agravou e, com o objetivo de ocultar as consequências de sua conduta, recusou-se a transferir a paciente para outro hospital. Já Kellen Cristina de Queiroz dos Santos convenceu Daiana a realizar a cirurgia mesmo estando debilitada, além de estar presente durante a realização do ato cirúrgico, sem qualquer capacitação técnica para tanto.

Em julho, o MPRJ obteve a prorrogação da prisão temporária de Bolivar Guerrero Silva por mais 25 dias.  

 


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar