Carregando...

'Neymar tem medo que eu descubra quanto Bolsonaro perdoou de dívida dele', diz Lula

Foto: Youtube / Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) falou sobre o apoio de Neymar ao presidente Jair Bolsonaro (PL) nessas eleições. Ao participar de sabatina no Flow Podcast, na noite desta terça-feira (18), o candidato à presidência da República disse que o jogador “tem medo” que ele ganhe as eleições e descubra quanto "Bolsonaro perdoou de dívida dele".

"Não fiquei puto com Neymar, ele pode escolher quem quiser como presidente. Eu acho que ele está com medo que eu ganhe as eleições e descubra quanto o Bolsonaro perdoou de dívida dele de imposto", disse o presidente, rindo, ao responder ao apresentador 'Igor 3K' se havia ficado bravo com o posicionamento político do atacante da seleção brasileira e do Paris Saint-Germain. 

'CPX': o que significa sigla em boné de Lula, alvo de desinformação de bolsonaristas Bolsonaro toca em Lula durante debate e provoca reação entre aliados; veja Ausência de Tarcísio de Freitas em debate para o governo de São Paulo repercute na web

Em setembro, Neymar publicou um vídeo em seu perfil no TikTok declarando apoio à reeleição de Bolsonaro. No vídeo, ele faz uma coreografia em sintonia com uma música pedindo voto em Bolsonaro. Não foi a primeira vez que o jogador demonstrou proximidade com o presidente. Uma semana antes, Bolsonaro visitou o Instituto Neymar Júnior na cidade de Praia Grande, no litoral paulista, e o atacante gravou um vídeo de agradecimento. 

O Estadãorevelou que o jogador já chegou a recorrer ao presidente, por meio de seu pai, para reclamar de uma dívida milionária com a Receita Federal. O imbróglio ainda não foi resolvido, e a dívida, de cerca de R$ 8 milhões, está sendo questionada na Justiça.

Em abril de 2019, o empresário Neymar da Silva Santos, pai do atacante, foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro  para "prestar esclarecimentos" sobre processo contra o jogador que tramitava no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Na época, Bolsonaro encaminhou o pai de Neymar ao pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, por se tratar de um tema "de natureza técnica".

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar