Carregando...

Polícia do PA prende suspeito e cumpre mandados de busca na operação Luz na Infância

Operação Luz na Infância no Pará — Foto: Ascom/ PC

Operação Luz na Infância no Pará — Foto: Ascom/ PC

Um homem foi preso na manhã desta quarta-feira (9) por armazenar pornografia infantil, em Belém. Segundo a Polícia Civil, a prisão fez parte de mais uma etapa da operação "Luz na Infância", que combate a exploração sexual de crianças e adolescentes. Também foram cumpridos cinco mandados de busca em apreensão na capital e em Parauapebas.

De acordo com a polícia, durante o cumprimento dos mandatos foram apreendidos dispositivos de informática. Todo o material será encaminhado à perícia.

Esta é a oitava fase da operação coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Além do Pará, a investigação ocorre em outros 17 estados brasileiros e cinco países: Argentina, Estados Unidos, Panamá, Paraguai e Equador, com objetivo de combater crimes de abuso e exploração sexual praticados na internet contra crianças e adolescentes.

No Pará, as investigações seguem por meio da Divisão de Combate a Crimes contra Grupos Vulneráveis praticados por meios cibernéticos (DCCV).

No Brasil, a pena para quem armazena esse tipo de conteúdo varia de um a quatro anos de prisão; de três a seis anos pelo crime de compartilhamento; de quatro a oito anos de prisão pela produção de conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual.

Como prevenir

Veja recomendações do Ministério da Justiça e Segurança Pública para a prevenção de crimes de pornografia infantil e de exploração sexual contra crianças e adolescentes:

  • Denúncia: diante da suspeita de algum comportamento inadequado, a família deve denunciar na polícia, procurar ajuda de profissionais da área e utilizar canais de denúncia das redes sociais para reportar eventuais crimes ou irregularidades;
  • Controle parental: acompanhar o que crianças e adolescentes fazem no ambiente on-line. Há aplicativos e programas que permitem controlar que tipo de sites as crianças acessam, e em qual horário;
  • Orientação em casa: saber e explicar como as ferramentas e as redes sociais funcionam, o tipo de informação que retêm e como as pessoas ficam expostas;
  • Privacidade: verificar configurações de privacidade de redes sociais, para não deixar crianças expostas com localização identificadora de residência e outras informações pessoais;
  • Atenção com estranhos: a preocupação para que as crianças não falem com estranhos na rua tem de ser estendida para a vida on-line, alerta o ministério.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*